30 dezembro 2011

Álcool e Volante matam Ryan Dunn

Ryan Dunn (1977-2011)

Um dos astros de “Jackass”, Ryan Dunn, morreu após sofrer um acidente de carro em West Goshen Township, na Pensilvânia, EUA. As informações são de que Dunn estava no volante no momento do acidente. Na batida morreram o comediante de 34 anos e um amigo.
O carro foi encontrado fora da estrada em meio a árvores, era um Porsche 911 GT3 ano 2007. O veículo pegou fogo após a batida. A polícia acredita que o excesso de velocidade tenha sido o principal responsável pelo acidente. Olha só o que sobrou do carro.
Aproximadamente duas horas antes do acidente, Dunn havia publicado uma foto sua no twitter aparentemente consumindo bebida alcoólica com amigos. Esta não foi a primeira vez que ele misturou álcool e direção. Em 2005 ele foi preso por dirigir alcoolizado quando destruiu uma BMW.



Variação genética pode ser responsável por cirrose em alcoólatras

Alcoolismo

Segundo estudo, mutação reduz ação de enzimas que desintoxicam o fígado

Por uma razão ainda desconhecida, apenas uma pequena porcentagem de alcoólatras chega a desenvolver cirrose, a forma mais avançada de doença hepática alcoólica (DHA). A explicação pode estar nos genes, sugere um estudo divulgado no periódico Alimentary Pharmacology & Therapeutics e realizado na Universidade de Salamanca, na Espanha.
Segundo o estudo, há pessoas que apresentam uma variação genética que afeta os níveis das enzimas glutationa-S-transferase, que são capazes de livrar o fígado das substâncias nocivas do álcool. Segundo os pesquisadores, essa mutação diminui a atividade dessas enzimas e faz com que as toxinas do álcool permaneçam no fígado por mais tempo, em maior quantidade.
Para os pesquisadores, esse estudo fornece dados importantes para entender como fatores genéticos específicos podem contribuir para o desenvolvimento de doenças hepáticas entre os alcoólatras. Embora os resultados não conduzam diretamente para soluções de novos alvos para o tratamento da doença, podem levar a melhores estratégias para a prevenção do problema.
DOENÇA HEPÁTICA ALCOÓLICA
É a inflamação no fígado causada pelo uso crônico do álcool. Principal metabolizador do álcool no organismo, o fígado é lesionado com a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas.
CIRROSE HEPÁTICA
Destruição do tecido do fígado provocada por várias lesões seguidas. Neste caso, a função do órgão é alterada. É a terceira maior causa de morte entre as pessoas de 45 a 65 anos.


Consumo de álcool favorece sexo sem proteção, diz estudo

Doenças sexualmente transmissíveis

Pesquisa mostra que o álcool é responsável direto por afetar a tomada de decisões, aumentando as chances de um comportamento de risco


Álcool e sexo: antes pensava-se que traços de personalidade levavam tanto ao consumo de álcool como ao sexo inseguro. Pesquisa afirma que é o álcool responsável direto pela tendência a fazer sexo sem proteção 

A relação entre o consumo de álcool e o sexo sem proteção é bastante conhecida. Várias pesquisas já demonstraram que quanto maior a quantidade de bebida ingerida, mais chances existem de praticar o comportamento de risco.
Mas ainda havia dúvidas sobre essa relação de causa e efeito. Os pesquisadores não sabiam se traços de personalidade, como a busca por prazer ou uma pré-disposição para comportamentos de risco, levavam tanto ao consumo de álcool quanto ao sexo sem proteção.
CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Alcohol can lead to unsafe sex

Onde foi divulgada: revista Addiction

Quem fez: Rehm J., Shield K.D., Joharchi N. e Shuper P.A

Instituição: Centre for Addiction and Mental Health (Canadá)

Dados de amostragem: 12 experimentos com dois grupos: um que consumia álcool e outro que não

Resultado: O aumento do nível de álcool no sangue de 0,1 miligramas por mililitro tinha como consequência um acréscimo de 5% na propensão de ter sexo desprotegido.
Segundo um estudo que será publicado na edição de janeiro do periódico Addiction, o principal do mundo no que se refere a estudos sobre dependência química, a dúvida acabou: é o consumo de álcool que leva ao sexo desprotegido.
Os pesquisadores reuniram os resultados de 12 testes que mediram a relação causa e efeito entre consumo de álcool e sexo sem proteção. O resultado encontrado foi que o álcool afeta a tomada de decisões. Quanto mais álcool os participantes dos testes consumiam, maior era a vontade de fazer sexo sem proteção.
Os participantes foram divididos em dois grupos formados aleatoriamente: um consumia álcool, o outro não. Depois disso, foi medida a intenção de ter relações sem proteção. O aumento do nível de álcool no sangue de 0,1 miligramas por mililitro tinha como consequência um acréscimo de 5% na propensão de ter sexo desprotegido.
A importância da descoberta é grande. Pode servir para que sejam encontradas novas alternativas para prevenir esse tipo de comportamento de risco. Em países do primeiro mundo, mas também no brasil, a incidência de doenças transmitidas sexualmente, como a Aids, mantém-se estável — em alguns casos até cresce. Por isso é importante descobrir meios de inibir condutas que levem ao aumento da transmissão das doenças sexualmente transmissíveis.
"Este estudo ajuda a explicar por que as pessoas adotam esse tipo de comportamento, mesmo sabendo dos risco: o álcool influencia o processo de decisão", afirma J. Rehm, do Centro de Dependência e Saúde Mental do Canadá, coordenador do estudo. "De hoje em diante, os programas de prevenção de aids devem levar em conta os resultados deste estudo."


Alcoolismo - Agonizando


Reflexão

Últimas Palavras  Reflexões - Site Antidrogas 

Fui a uma festa, e me lembrei do que você me disse. Você me pediu que eu não tomasse álcool, mãe... Então, ao invés disso, tomei uma "Sprite". Senti orgulho de mim mesma, e do modo como você disse que eu me sentiria e que não deveria beber e dirigir. Ao contrário do que alguns amigos me disseram, fiz uma escolha saudável, e teu conselho foi correto.

E quando a festa finalmente acabou, e o pessoal começou a dirigir sem condições... Fui para o meu carro, na certeza de que iria para casa em paz .. Eu nunca poderia imaginar o que estava me aguardando, mãe... Algo que eu não poderia esperar .... Agora estou jogada na rua, e ouvi o policial dizer:
"O rapaz que causou este acidente estava bêbado"...
Mãe; sua voz parecia tão distante...

Meu sangue está escorrido por todos os lados e eu estou tentando com todas as minhas forças, não chorar... Posso ouvir os para-médicos dizerem: - "A garota vai morrer".
Tenho certeza de que o garoto não tinha a menor idéia, enquanto ele estava a toda velocidade, afinal, ele decidiu beber e dirigir, e agora tenho que morrer..

Então por que as pessoas fazem isso, mãe? Sabendo que isto vai arruinar vidas ? E agora a dor está me cortando como uma centena de facas afiadas... Diga a minha irmã para não ficar assustada, mãe! Diga ao Papai que ele seja forte. E quando eu for para o céu, escreva "Garotinha do Papai" na minha sepultura.

Alguém deveria ter dito aquele garoto que é errado beber e dirigir. Talvez, se seus pais tivessem dito, eu ainda estaria com possibilidades de continuar viva. Minha respiração está ficando mais fraca, mãe, e estou realmente ficando com medo... Estes são meus momentos finais e me sinto tão despreparada ..! Eu gostaria que você pudesse me abraçar, mãe... Enquanto estou Estirada aqui, morrendo, eu gostaria de poder dizer que te amo, mãe.!

Então..... "Te amo e adeus...!" Essas palavras foram escritas por um repórter que presenciou o acidente. A jovem, enquanto agonizava, ia dizendo as palavras e o repórter, anotando... 
Fonte:(Autorizado por www.rivalcir.com.br) 






Hebe Camargo faz campanha Anti-Álcool - Vídeo




Hebe Camargo, que já confessou muitas vezes ter um gosto especial por bebidas alcoólicas, é a grande estrela da campanha anti-álcool promovida pelo governo do estado de São Paulo. A nova lei proíbe a venda do produtos para menores de 18 anos.






29 dezembro 2011

Efeitos Colaterais da Bebida - Fotos












Seria cômico se não fosse trágico... Vídeos

ALCOOLISMO  É  UMA  DOENÇA  MUITO  TRISTE  PRINCIPALMENTE  PARA  A  FAMÍLIA.


A Bicicleta Maldita.


É deprimente o efeito da cachaça em um homem...


Equíbrio X Álcool.
Veja como as pessoas reagem ao ver uma pessoa totalmente entregue ao álcool. Pense na sua família e em você, é isso que você quer ? 


Deprimente!!!


Pinga!!! 
Mais uma vez, olha o que acontece ! Você vira a diversão para populares, menos para sua família.


Se os bêbados pudessem se ver quando embriagados, largariam a bebida na hora.


casal 51 MARVADA & PINGA dança com tudo


Pessoas que certamente já tiveram uma vida digna, mais que o álcool transformou nisso, triste.


PENSE SE VOCÊ JÁ DEU SEU SHOW ALGUMA VEZ ! VOCÊ E SUA FAMÍLIA NÃO MERECEM ISSO. 
ALCOOLISMO TEM TRATAMENTO, PROCURE AJUDA. 



Assistam o estado lamentável e a irresponsabilidade desse motorista

"Bebi 2 cervejas", diz motorista flagrado em estrada do PR - 22/12/2011 



Um homem foi flagrado completamente bêbado, em uma rodovia do Paraná. Ele mal conseguia falar.



28 dezembro 2011

Naltrexona e Topiramato - Medicamentos para tratamento do alcoolismo

Dados Científicos

Comparação entre topiramato e naltrexona no tratamento da dependência alcoólica
O alcoolismo é uma doença crônica que está entre as principais causas de mortalidade e incapacidade em todo mundo. No Brasil, aproximadamente 11% da população adulta apresenta sintomas de dependência alcoólica, uma parcela expressiva de nossa sociedade. O tratamento do alcoolismo, tradicionalmente focado em intervenções psicossociais, atualmente tem incorporado estratégias farmacológicas, comumente empregadas para tratar os sintomas da abstinência. Dentre eles, poucos medicamentos têm sido capazes de controlar, a longo-prazo, o abuso e a dependência de álcool.
 
Dois medicamentos têm sido apontados como possíveis promessas ao tratamento do alcoolismo: topiramato e naltrexona. O topiramato é um anticonvulsante que facilita a ação inibitória do neurotransmissor GABA (nos receptores não-benzodiazepínicos) e reduz a ação excitatória sobre os receptores de glutamato. Por sua vez, a naltrexona atua sobre o sistema opióide, bloqueando os efeitos de recompensa do álcool, evitando recaídas.  
 
Em vista disso, o presente estudo teve como objetivo comparar a eficácia desses dois medicamentos no tratamento do alcoolismo. Participaram da pesquisa 155 pacientes, do sexo masculino, entre 18 e 60 anos de idade, diagnosticados como alcoolistas (critérios do CID-10; Classificação Internacional de Doenças). Após uma semana de desintoxicação, os pacientes foram aleatoriamente destinados à composição de três grupos (tratados por um período de 12 semanas): (a) topiramato (300 mg diários) (n=55); (b) naltrexona (50 mg diários) (n=49); (c) placebo (n=54). Os critérios utilizados para medir as diferenças entre os grupos foram: (a) tempo da primeira recaída (número de semanas; até o primeiro consumo superior a 60g de etanol) (b) número de semanas de abstinência completa; (c) número de semanas de uso pesado de álcool (consumo de mais de 90g de etanol) e, finalmente (d) relatos sobre a existência de efeitos colaterais.
 
O grupo tratado com topiramato apresentou uma proporção significativamente maior de indivíduos abstinentes, comparado ao grupo placebo, após 4 semanas (67,3% vs. 42,6%) e 8 semanas de tratamento (61,5% vs. 31,5%). No entanto, transcorridas as  12 semanas, a diferença deixou de ser estatisticamente significativa (46,2% vs. 27,8%). Entre esses grupos, diferenças também foram observadas para outras medidas: (a) tempo para a primeira recaída (7,8 e 5 semanas, respectivamente); (b) duração do período de abstinência (8,2 e 5,6 semanas, respectivamente) e (c) número de semanas de consumo pesado de álcool (3,4 e 5,9 semanas, respectivamente). Não foram observadas diferenças significativas entre o grupo naltrexona e placebo, tampouco entre os grupos naltrexona e topiramato, embora os pacientes tratados com topiramato tenham apresentado resultado melhor  em todas as medidas (talvez a diferença entre os grupos naltrexona e topiramato alcançasse significância estatística se a amostra recrutada fosse maior). .
 
Embora não tenha sido considerada obrigatória para inclusão no estudo, os pacientes tratados com topiramato participaram mais ativamente de grupos de auto-ajuda (Alcoólicos Anônimos – AA) que os pacientes tratados com naltrexona (19,2% vs. 4,1%, respectivamente).
 
Conforme os autores, uma explicação plausível para as diferenças observadas entre o topiramato e naltrexona seja a amplitude de ação do topiramato, que atua sobre a redução da impulsividade, ansiedade e mudanças no humor vigentes na situação de abstinência alcoólica, enquanto que a naltrexona parece ser útil, especificamente, à diminuição da “fissura” por álcool.
 
Finalmente, embora o emprego de topiramato ainda não tenha sido aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration), sua ação farmacológica sugere que seja uma alternativa eficaz para o tratamento do alcoolismo, possibilitando maior adesão do paciente não só ao tratamento farmacológico, mas a outros tipos de intervenção.
 
Título: Comparação entre topiramato e naltrexona no tratamento da dependência alcoólica
 
Autores: Danilo Antonio Baltieri, Fabio Ruiz Daró, Philip Leite Ribeiro e Arthur Guerra de Andrade
 
Fonte: Addiction (ahead of print)


Alcoolismo : Caso de saúde pública - Vídeo



Brasil tem cerca de 15 milhões de dependentes do álcool



26/10/2011De acordo com a OMS, o consumo abusivo de álcool é responsável por mais de dois milhões de mortes por ano em todo o planeta. No Brasil, são 15 milhões de alcoólatras no país e 32 mil mortes por ano ligadas ao consumo da bebida.

Rob Lowe conta como superou o alcoolismo - Vídeo




 15/11/2011O ator fala do seu novo livro e conta histórias de sua vida.

Fama e Destruição - Fotos de celebridades bêbadas







Fotos de Atores e Atrizes Bêbadas

Britney Spears
Um dos Gêmeos de Olson
Kirsten Dunst
Mel Gibson
Lindsay Lohan
Kiefer Sutherland
Paris Hilton
Beckhams
Amy Winehouse
Jake Gyllenhaal
Tara Reid
Courtney Love durante suas bebedeiras.
Britney Spears
Christina Aguilera
Lily Allen
Pamela Anderson
Rapper Bow-Wow
David Hasselhoff
P-Diddy muito loko
o casal, Victoria e David Beckman
Avril Lavigne sendo carregada por suas amigas
Ozzy Osbourne
Kelly Osbourne