30 junho 2011

Alcoolismo - Dados



Dados

bebida preferida
Há uma grande variedade de bebidas alcoólicas espalhadas pelo mundo, fazendo do álcool a substância psicoativa mais popular do planeta. Obtido por fermentação ou destilação da glicose presente em cereais, raizes e frutas, o etanol (ou álcool etílico) é consumido exclusivamente por via oral. O Brasil detém o primeiro lugar do mundo no consumo de destilados de cachaça e é o quinto maior produtor de cerveja da qual, só a Ambev, produz 35 milhões de garrafas por dia.
álcool é droga !
O álcool é a droga preferida dos brasileiros (68,7% do total), seguido pelo tabaco, maconha, cola, estimulantes, ansiolíticos, cocaína, xaropes e estimulantes, nesta ordem. No País, 90% das internações em hospitais psiquiátricos por dependência de drogas, acontecem devido ao álcool. Motoristas alcoolizados são responsáveis por 65% dos acidentes fatais em São Paulo.
O alcoolismo é a terceira doença que mais mata no mundo. Além disso, causa 350 doenças (físicas e psiquiátricas) e torna dependentes da droga um de cada dez usuários de álcool.
não beba
O álcool é a droga que mais detona o corpo (tanto quanto a cocaína e o craque); a que mais faz vítimas; e é a mais consumida entre os jovens no Brasil. O índice de câncerentre os bebedores é alarmante, quer por ação tópica do próprio álcool sobre as mucosas, quer por conta dos aditivos químicos de ação cancerígena que entram no processo de fabricação das bebidas.
gravidez
Síndrome alcoólica fetal (SAF) é o termo utilizado para descrever os efeitos comumente observados nos filhos de mães alcoólatras: tamanho pequeno, face anormal, outras anormalidades físicas e retardo mental. Ocorrência: 1 a 2 casos por mil nascidos vivos.

Consequências Físicas do Uso em Excesso

  •  acidentes (no lar, no serviço e nas estradas);
  •  alterações no sangue (hemorragias, hepatite e outras);
  •  ossos e articulações (ácido úrico elevado, degeneração dos ossos e outros);
  •  lesão cerebral (síndrome de Wernicke-Korsakoff, degeneração cerebelar, ambliopia);
  •  câncer (na boca, esôfago, estômago, fígado e outros);
  •  pulmão (pneumonia, tuberculose e outros problemas);
  •  epilepsia;
  •  síndrome fetal (vide parágrafo anterior);
  •  coração (arritmias, cardiopatia, hipertensão e doença coronariana);
  •  lipemia;
  •  hipoglicemia;
  •  fígado (cirrose hepática e outras doenças);
  •  miopatia;
  •  pancreatite;
  •  neuropatia (ou neurite) periférica);
  •  sexo (disfunção testicular e impotência); e
  •  esôfago e estômago (efeitos corrosivos diretos do álcool sobre estes órgãos como: gastrite, úlcera péptica, esofagite e síndrome de Mallory-Weiss).
FONTE: Revista Plantão Médico - Drogas, Alcoolismo e Tabagismo, Editora Biologia e Saúde, Rio de Janeiro, 1998, pág.67.

Outros Dados sobre o Álcool

  •  É preciso saber que o álcool é a porta de entrada das drogas !.
  •  A idade em que o adolescente começa a tomar álcool está cada vez menor, com a média atual em 13 anos.
  •  As causas do alto número de pessoas dependentes de bebidas alcoólicas no Brasil deve-se, principalmente, à cultura nacional. A cerveja, p.ex., é aceita como uma bebida tradicional e a cachaça é conhecida como "caninha da roça", "bebida de macho" e outros slogans.Você bebe no frio para esquentar e no calor para esfriar.
  •  Para acabar com o vício, o usuário de álcool precisa ter consciência do problema que está enfrentando e o desejo de se livrar dele. Isso pode ser feito através da desintoxicação em Clínicas Especializadas e com o indispensável apoio e compreensão da família.
  •  Em geral, nosso fígado leva uma hora para processar 30 gramas de álcool (aproximadamente uma latinha de cerveja).
  •  O álcool interfere no processo de concentração no trabalho e os alcoolistas estão justamente na faixa de maior produtividade do indivíduo (entre 25 e 45 anos).
  •  O álcool é responsável pela maioria dos acidentes de trânsito, porque altera a percepção do espaço, do tempo e a capacidade de enxergar bem.
  •  O alcoolismo é uma doença crônica, incurável e progressiva, que mina o organismo, atacando todos os seus órgãos.
  •  Pesquisa realizada em 5 capitais brasileiras revelou que 45% dos jovens entre 13 e 19 anos envolvidos em acidentes haviam ingerido bebida alcoólica.
  •  O consumo global, expresso em g/kg peso corporal, multiplicado por anos de bebida, fornece um elemento preciso de previsão da incidência de cirrose hepática.
  •  A lesão hepática é a consequência (a longo prazo) mais séria do consumo excessivo. Ocorre um aumento do acúmulo de gordura (fígado gorduroso), que progride para uma hepatite (inflamação do fígado) e termina com necrose e fibrose hepáticas irreversíveis.
  •  Por não apresentar cargas elétricas e por ser altamente solúvel em gorduras, é rapidamente absorvido pelo organismo. Uma quantidade apreciável é absorvida já no estômago. Ingerido com o estômago vazio, produz um efeito muito maior.
  •  Cerca de 90% do álcool é metabolizado no corpo e 5 a 10% é excretado (sem modificações) no ar expirado e na urina. Essa fração serve de base para a estimativa das concentrações sanguíneas de etanol por dosagens na respiração (bafômetro) ou na urina.
  •  Admite-se que a proporção entre as concentrações de etanol no sangue e nos pulmões seja de 21%, ou seja, 1 mg de sangue contém uma quantidade de álcool equivalente à que contém 2,1 litros de ar dos pulmões. A concentração na urina é mais variável e fornece uma medida menos precisa das concentrações sanguíneas.
  •  A taxa de eliminação do etanol do organismo praticamente independe de sua concentração no sangue e corresponde, no homem, a cerca de 0,1 g/kg peso.hora ou cerca de 10 ml/h em uma pessoa normal.
  •  Os alcoólatras são difíceis de se anestesiar com drogas como o Halotano.

Lei impede a demissão de alcoólicos por justa causa - Vídeo

Lei impede a demissão de alcoólicos por justa causa



Alcoolismo - O drama de Jonathan Rhys Meyers



O drama de Jonathan Rhys Meyers

O astro da minissérie “The Tudors” e estrela do filme “Match Point” Jonathan Rhys Meyers está passando por uma má fase. Segundo o jornal “The Sun”, o ator, que é álcoolatra, foi encontrado no chão de sua residência por paramédicos na terça-feira 28, depois de uma chamada ao 999, serviço de emergências médicas da Inglaterra. Meyers recusou-se a receber atendimento durante mais de 30 minutos e a polícia teve de ser chamada. Finalmente o ator foi levado a um hospital próximo à sua casa em Maida Vale, centro de Londres. A suspeita é de que ele teria tentado o suicídio ao tomar várias pílulas.



“Isso é muito triste. A opinião de quem estava presente foi de que ele tentou tirar a própria vida”, disse uma fonte ao “The Sun”.
Jonathan Rhys Meyers teve alta no início da madrugada de quarta-feira 29 e não quis se pronunciar sobre o ocorrido.
O ator luta contra um sério problema de alcoolismo. No início deste mês, ele deu entrada em uma clínica de reabilitação 5 estrelas na África do Sul.




Alcoolização e cidadania



O sujeito entre a alcoolização e a cidadania: perspectiva clínica do trabalho

Cidadania combate a dependência
Professora da UnB defende concepção terapêutica na qual resgate da identidade e da auto-estima no trabalho diminui uso do álcool

Uma nova concepção para o tratamento do alcoolismo nasceu da experiência de mais de 20 anos da pesquisadora Heliete Karam,do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, no estudo das relações entre alcoolismo e condutas de alcoolização no ambiente de trabalho. Ela constatou que a afirmação do indivíduo como sujeito e cidadão são fatores de superação do hábito de beber e da conseqüente dependência química.

A pesquisadora aponta o álcool como um dos meios utilizados pelos indivíduos para resistir aos efeitos nocivos das pressões do trabalho. E propõe que o tratamento do alcoolismo e sua prevenção primária sejam repensados. Heliete apresenta proposta inédita de terapêutica, na qual o resgate do prazer no trabalho é fundamental para curar o alcoolismo.

Numa diferenciação bastante utilizada, considera-se o alcoolismo a perda total de liberdade face ao álcool, devido à necessidade orgânica de manter um determinado teor de etanol no corpo, com vistas a proporcionar seu equilíbrio neurovegetativo e uma aparente sensação de bem-estar psíquico. Já a alcoolização é o ato de ingerir álcool.

Tradicionalmente, o problema do alcoolismo é tratado com enfoque no indivíduo e na família, mas a pesquisadora encontrou no trabalho a causa e solução. Heliete passou os últimos seis anos na Universidade de Paris VII, orientada por Christophe Dejours, aprimorando sua metodologia para tratar o alcoolismo.

Segundo sua tese, as pessoas vivem em contínuo processo de construção do sujeito (quando o indivíduo é dono de suas ações, tem autonomia e legitimidade na sociedade, não se sente apenas como um número a mais). E para existir sujeito é preciso haver o exercício da palavra política, ou seja, de cidadania. Nas empresas e organizações, essa construção da identidade pode ser suspensa por práticas da chefia como intimidação, constrangimento, abuso de poder. Gera-se então sofrimento para quem não tem voz ativa dentro do trabalho. O fenômeno da alcoolização aparece como um sinal de bloqueio temporário ou definitivo do movimento de construção do sujeito.

Entende a professora que o alcoolismo preenche o lugar da não-linguagem. Ocupar a boca com o álcool em vez da palavra é uma forma de injetar linguagem, lá, onde a linguagem não circula. O tratamento passa por um resgate da identidade profissional da pessoa. Por isso, a necessidade de reformulação das instituições, resgatando o exercício da cidadania no local de trabalho. A cidadania vista como um processo pleno e a ser exercida em qualquer lugar e em tempo integral.

A solução proposta está no funcionamento da palavra como um motor para o resgate da cidadania. Entretanto, somente a circulação da palavra não assegura que ela seja livre, sobretudo quando está submetida a uma ou mais ideologias. Torna-se necessária a criação de espaços de discussões, deles participando os trabalhadores, conversando permanentemente sobre as regras e a própria organização do trabalho. Esse recurso comprovou-se eficaz nas empresas nas quais Heliete Karam atuou.

À medida que os trabalhadores faziam uso da palavra política (cidadania), a alcoolização diminuía, pois o indivíduo passava a compreender que sua razão de ser no mundo não se esgota no nível da subjetividade, mas se prolonga com um sujeito social, onde sua singularidade e exclusividade têm papel importante para o conjunto.

A pesquisadora propõe uma reorganização nas relações de trabalho, onde a atividade profissional passe a ser fonte de identidade e prazer para quem o executa. Considera a alienação no serviço um dos motivos que deixa o sujeito vulnerável ao álcool. Heliete trabalha sempre com o grupo onde o individuo está inserido e afirma que nossa sociedade está doente na organização do trabalho, gerando um sofrimento que resulta em queixas, adoecimentos, acidentes, uso de drogas, depressão e tantas outras formas de sintomas sociais.

29 junho 2011

Cantor Gerry Rafferty - Alcoolismo e morte - com Vídeo inesquecível


Cantor Gerry Rafferty, autor de
Baker Street, morre aos 63 anos


O cantor escocês Gerry Rafferty, autor de sucessos como Baker Street e Stuck in the Middle with You, nos anos 70, morreu  aos 63 anos, anunciou seu agente, Paul Charles.
Gerry Rafferty, que tinha problemas com álcool, morreu em sua casa, no sul da Inglaterra, ao lado de sua filha Martha.
Antes de se lançar à carreira solo, Gerry Rafferty foi membro do grupo Stealers Wheel, com o qual gravouStuck in the Middle with You, em 1972, título que foi resgatado em 1992 na trilha sonora de Cães de Aluguel, filme de Quentin Tarantino.
O principal sucesso do cantor, no entanto, continuou sendo Baker Street, de 1978, que estve nos rankings dos mais vendidos na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos e em muitos outros países.
Nos últimos 20 anos, Rafferty gravou três álbuns sem reencontrar o sucesso.
Os últimos anos de sua vida foram marcados pelo alcoolismo e por problemas de saúde diversos.

Alcoólatra não é bandido !


Quero falar de um assunto muito sério que se chama alcoolismo. É muito triste a gente ver homens com um problema tão grave como o alcoolismo e não serem tratados pelo poder público como qualquer outra doença, quando é gasto tanto dinheiro com coisas que às vezes nem são tão importantes. Eu tenho conhecido que antes era um cidadão comum que se preocupava com a política, com os problemas sociais, e hoje o mesmo cidadão vive escravizado pelo álcool e muito doente. O Preconceito da sociedade contra os alcoólatras, dificulta ainda mais a ressocialização dos mesmos. Era para existir um centro de reabilitação em todas as cidades do país com poder de interná-los até mesmo sem aceitação do paciente, pois muitos preferem morrer a se tratar por causa da sua baixa-estima e depressão. A maioria dos alcoólatras são pessoas de bem, pessoas que não são nocivas a sociedade, apenas contraíram essa doença (dependência química) como qualquer outro tipo de doença. Ninguém é alcoólatra por opção, assim como ninguém quer contrair qualquer tipo de doença. Nós não gastamos fortunas com os bandidos que aterrorizam nossas familias de bem ? por que não tratar de um cidadão ?



Pense bem antes de beber e dirigir - Vídeo

VALE  A  PENA  VER  ESSE  VÍDEO !
Uma simples demonstração do que pode acontecer quando misturamos álcool e direção.







Álcool, velocidade e negligência - Vídeo




Alcoolismo - Cerveja alimenta ?


Cerveja alimenta?

Mito
Talvez esse mito tenha surgido no Antigo Egito, quando os trabalhadores que construíam as pirâmides de Gizé ganhavam, por dia, 5 litros de “pão líquido”, conhecido por nós como cerveja. Os trabalhadores achavam que o tal pão líquido lhes ajudava a suportar a jornada puxada de trabalho e o grande esforço físico, mas na verdade era que suas propriedades embriagantes ajudavam a contentar os trabalhadores. Ou então algum grande bebedor de cerveja achou uma boa desculpa para exagerar na dose, falando que estava se alimentando. Mas o fato é que nem a cerveja, nem nenhum outro tipo de bebida alcoólica alimenta, dá forças, abre o apetite ou facilita a digestão. Quando ingerida em grandes quantidades, ela dá a sensação de saciedade, mas, principalmente no caso de excessos, passa a ser algo prejudicial à saúde. O Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) realizou diversas experiências e pesquisas que indicam que o consumo de álcool, especialmente na fase da adolescência, leva à redução da ingestão de alimentos e faz mal ao desenvolvimento nutricional. Por se tratar de uma substância tóxica, o álcool ataca os órgãos do trato gastrointestinal (principalmente fígado e estômago), o que acaba afetando a nutrição. Além disso, o etanol também afeta a metabolização dos nutrientes pelo organismo. Portanto, a cerveja não só não alimenta como ainda afeta negativamente o apetite e prejudica a digestão e nutrição.



28 junho 2011

Alcoolismo e Monges na Escócia

Vinho de monges vira símbolo de alcoolismo na Escócia
Folha de São Paulo - The New York Times - Por SARAH LYALL
COATBRIDGE, Escócia - O que é que o Vinho Tônico Buckfast tem que tanto seduz os consumidores, enquanto provoca o repúdio dos políticos?
Talvez seja sua receita especial, à base de cafeína e vinho doce, graças à qual os consumidores entusiasmados em excesso podem ficar embriagados e cheios de vigor ao mesmo tempo. Talvez sejam seus muitos apelidos apelativos, entre eles "Wreck the Hoose Juice" (algo como "suco derruba-casa" -"hoose" é a pronúncia escocesa de "house") ou sua proveniência exótica: é fabricado por monges beneditinos em uma abadia britânica.
Seja qual for a causa, o fato é que o Buckfast tem sido visto como símbolo dos problemas graves de alcoolismo na Escócia, no momento em que o país debate como combater o problema. "Para uma grande parcela da população, sua relação com o álcool é prejudicial e danosa -às pessoas, às comunidades e à nação", disse o governo escocês em relatório recente. 
E o Buckfast não parece ajudar. Pesquisa realizada no ano passado com 172 detentos revelou que 43% das 117 pessoas que tinham consumido álcool antes de cometer seus crimes disseram ter tomado Buckfast. E a polícia no distrito industrial carente de Strathclyde disse à rede BBC que a bebida foi mencionada em 5.638 boletins de ocorrência criminal entre 2006 e 2009 (em 114 dos crimes, a garrafa foi usada como arma).
Um representante da J. Chandler & Company, distribuidora da bebida, disse que o Buckfast representa menos de 1% do mercado de bebidas alcoólicas na Escócia e estaria recebendo destaque injusto. O Reino Unido como um todo finalmente reconheceu que tem um problema de alcoolismo que ultrapassa o "binge drinking" (consumo intenso de bebida alcoólica num período curto de tempo, com o objetivo expresso de embebedar-se). E, se o problema é grave na Inglaterra, é mais grave ainda na Escócia.
Em 2007 os escoceses de 16 anos ou mais consumiram em média o equivalente a 12 litros de álcool puro por pessoa, o oitavo índice mais alto do mundo. O governo estima que o abuso de álcool custe à Escócia US$ 3,6 bilhões por ano em problemas de saúde e sociais e em perda de produtividade.
Mas aquilo que, para uma pessoa, ajuda a melhorar seu estado de ânimo, para outra pode ser um estimulante preocupantemente eficaz. O vinho Buckfast tem teor alcoólico de 15%, pouco mais alto que a maioria dos vinhos. E cada garrafa de 750 ml contém tanta cafeína quanto oito latas de Coca-Cola. Nos EUA, o FDA (órgão que regula alimentos e medicamentos) estuda proibir as bebidas alcoólicas cafeinadas, que podem deixar seus consumidores desinibidos e também hiperativos, ansiosos e agressivos em função da cafeína e do açúcar.
"O Buckfast faz você explodir", disse recentemente James Grimson, que fumava um cigarro diante de um pub perto do centro de Coatbridge. "É por isso que há muitas brigas por aqui aos sábados", comentou Umair Ansar, que trabalha na cidade.




Não existe Ex-Alcoólatra

Sobre o Alcoolismo
O alcoolismo atinge cerca de 10% da população mundial

Vale ressaltar que alcoolismo é uma doença e não um vício, como muitos dizem. Entre os motivos que levam uma pessoa a desenvolver a doença, estão os fatores genéticos, ou seja, pessoas que têm pais alcoólatras têm muito mais chances de virar um alcoólatra no futuro.

Só que tem mais um fator que muita gente não sabe - ou se sabe, não liga para isso. O alcoolismo pode aparecer aos poucos, dependendo dos hábitos do individuo. Isso mesmo, aquele cara que começa tomando umas na balada, pode sim ter problemas com o álcool no futuro.

E como será a vida de um alcoolista? Luiz Antônio da Cruz, um alcoolista em recuperação - não existe ex alcoólatra - começou bebendo aos 14 anos com os amigos, em pequenas doses. "Para mostrar que era homem", diz. Começou a depender da bebida, ouvia das pessoas frases do tipo "Bêbado... Olha lá o bêbado... Coitado". Foi abandonado pela esposa, família e amigos por causa do álcool. Mais tarde, procurou uma Associação Antialcoolica e depois de algumas reuniões decidiu então lutar contra a doença. Hoje não pode colocar uma gota sequer de bebida na boca. "O alcoolismo não tem cura. Nunca mais poderei beber. Não existe só um gole para um alcoolista... Estamos em tratamento para o resto da vida...", conta Luiz Antônio.

Muitos acham que a medicina "recomenda" o álcool, a exemplo da tacinha de vinho todos os dias. Pura lenda! "Do ponto de vista médico o consumo alcoólico não deve ser recomendado, muito menos incentivado. O que ocorre é a orientação para que, se houver o consumo, este não ultrapasse o limite máximo determinado pelas resoluções da OMS" explica o médico Alexandre Dietrich.

Segundo o médico, as doses máximas recomendadas pela OMS são: 30g (3 copos de chope, um pouco menos que 2 latas de cerveja, ou uma dose de bebida destilada. Exemplo : 1 lata de cerveja = 17g de álcool; 1 dose de pinga = 25g de álcool.) As mulheres são menos resistentes aos efeitos intoxicantes do álcool e portanto recomenda-se o consumo máximo de 20 g/dia.

E para aqueles que sempre abusam da bebida e nunca pensam nas conseqüências, o Dr, José Antonio, especialista em dependência química deixa seu recado: "O ato de beber pode se tornar uma doença que começa com um ato de vontade que afunda na necessidade".



27 junho 2011

Patrick Swayze - Astro de Ghost - Álcool e Câncer

Viúva de Patrick Swayze: A pior coisa para mim era o alcoolismo do meu marido


A viúva de Patrick Swayze, Lisa Niemi, resolveu quebrar o silêncio sobre seu casamento e revelou como era difícil lidar com o alcoolismo de seu marido. Segundo ela, o ator que estrelou Dirty dancingGhost e Caçadores de emoção (Point break), e que morreu de câncer no pâncreas, em 14 de setembro de 2009, aos 57 anos, se transformava em outra pessoa toda vez que bebia demais.
"A pior coisa para mim era o alcoolismo do meu marido", ela contou em entrevista ao The Times. "Quando não estava bêbado, ele era o homem mais doce do mundo". Por causa do alcoolismo, Niemi, 53 anos, que foi casada com o ator durante 34, conta que, um dia, fugiu do marido, saindo de casa no meio da noite. Quando perguntada sobre o porquê de não sair durante o dia, quando ele estaria acordado, ela ri: "Ele atiraria nos pneus do carro. Eu não queria que ele tivesse essa chance."



Swayze foi para uma clínica de reabilitação e fez terapia para tentar se livrar do álcool, mas foi só quando Niemi saiu de casa que ele finalmente parou de beber. Niemi, que é co-autora de The time of my life, autobiografia do ator, disse que apesar de toda sua luta contra o câncer, ela voltou a ver "o melhor de quem ele era".
Segundo Niemi, seu único arrependimento é nunca ter tido filhos. Ela também revelou que nunca pensava no marido como um símbolo sexual. "Eu me lembro que, quando nos casamos, eu olhei pra ele e me surpreendi com a sua beleza", disse.
Da Agência O Globo




Alcoolismo - 09 de dezembro - Dia dos Alcoólicos Recuperados


O Dia do Alcoólico Recuperado é considerado como uma data festiva para todas as pessoas que amargaram as dores do alcoolismo ativo e que conseguiram se livrar da compulsão pelo beber destrutivo que os levou, em muitos momentos, ao “fundo do poço” moral, social e familiar. O alcoólico V. B.A., que prefere se manter anônimo lembra que a doença do alcoolismo é física e psicológica, não escolhendo raça, crença, classe social ou nacionalidade.

Alcoolismo : Vício ou Doença ?



Alcoolismo: vício ou doença?


A forma como se entende o alcoolismo determina também sua abordagem. Os especialistas no assunto não gostam de usar a palavra "vício" (muito usada comumente) porque ela remete a conotações cristãs moralizantes que mais prejudicam do que ajudam. Vamos entender melhor isso porque, de uma certa forma, todos têm "razão",

Evitar o termo "vício" tem como principal objetivo tirar o atributo de culpa consciente e intencional do dependente. Ser alcólatra não é divertido. É humilhante. Ninguém se submente a cenas tão violentas quanto ridículas por vontade própria.
Existem reais alterações químicas que ocorrem no cérebro do dependente após um certo nível de álcool no sangue. Este é um fato.

O alcoolismo é uma doença hereditária, filhos de alcólatras têm 75% de chances de desenvolver a dependência (todos os outros têm 50% de chances de se tornar alcólatras). Atenção, porém: se for alcoolismo pode ser outra dependência. A questão é a tendência a desenvolver ou não dependências. Conheço pessoas filhas de alcólatras que são dependentes de comida. Gastar dinheiro também pode se tornar uma obsessão.

O alcoolismo é mais do que uma doença física. Alcoolismo é também uma doença emocional eespiritual

Com "emocional" queremos dizer a psicologia que está na base da dependência. O alcoolismo provoca distúrbios de comportamento e de relação que já observei entre pessoas "normais", mas no alcólatra e em suas relações afetivas esses distúrbios são mais intensos e mais difíceis de serem desmascarados e/ou transformados. Exemplo disso é o sentimento de culpa. Quem não conhece um pai ou uma mãe que usam da chantagem emocional para obter do filho alguma coisa. Nesta malha de probições não ditas e de bloqueios silenciosos, uma pessoa pode ficar enredada por anos a fio, às vezes uma vida inteira. Mas no não-dependente químico existe uma chance maior de rebelar-se (santa rebelião). No alcolatra e em seus co-dependentes essa chance cai, talvez porque existe efetivamente um "mal" (o alcoolismo) que suscita pena e dó. O alcoolismo tira força moral, poder pessoal e auto-confiança.

Do ponto de vista psicológico, o comportamento do dependente pode, porém, ser chamado de vício, no sentido que gera uma deformação na percepção e na interpretação de fatos e relações que prejudica o inteiro de sua vida. O comportamento viciado (deformado) contamina o dos outros, que acabam se adequando ao mesmo padrão. Geralmente, o dependente usa de poder econômico, emocional ou físico para dominar seus familiares, daí uma "boa" razão para estes encontrarem um "equilíbrio" dentro do sistema viciado se adaptando a ele. Escrevi em outro tópico como lidar com um pai alcoólatra.

Agora, no que diz respeito ao plano espiritual, como entender o alcoolismo? É aqui que entram as religiões. Segundo os neo-protestantes (ou seja a leva de evangélicos dos últimos 40 anos), alcoolismo é coisa do demônio e o alcólatra precisa ser exorcisado. Muitos não acreditam nisso, mas quem viu um alcólatra em crise de brabeza sabe o quanto a pessoa que vêem está alterada. Há no dependente químico atacado uma componente realmente assustadora: seu rosto é diferente, feio, possesso, estranho. Sua voz e suas palavras são apavorantes e das mais baixas e agressivas. A raiva e o ódio que ele vomita nesses momentos beira o incompreensível, mesmo num contexto familiar difícil. Quem é essa criatura? Com certeza, não a mesma que conhecemos em seus momentos de calma. É muito fácil entender essa experiência como "possessão do demônio". Se o Mal existe, uma de suas manifestações é com certeza durante a crise agressiva de um alcólatra.



Alcoolismo - Fotos de homens alcoolizados (degradante) com Vídeo Canção Maravilhosa.

Meu Deus, a minha fé se firma no poder superior de Vossa Divindade. O vosso poder contrasta com a minha fraqueza. 
Basta um copo de bebida para me derrotar e humilhar ! O pior é que minha DOENÇA envergonha e faz sofrer toda a minha familia...
Meu Deus, ajudai-me e socorrei-me !
Que a vossa bondade infinita perdoe os meus fracassos; a vossa graça levante a minha vontade e me torne capaz de vencer a tentação do álcool.
Amém.














ELE  PODE  TE  CURAR  -  CREIA, ELE  É  O  SENHOR !