14 junho 2011

Alcoolismo - Converse com seu filho sobre alcoolismo

Converse Com os Seus Filhos Sobre o Álcool e Todas as Outras Drogas



Independentemente dos adultos de casa beberem ou não álcool, pode estar seguro que as crianças conhecem o seu uso por parte dos amigos, outros adultos, publicidade, etc. Quando falar com o seu filho sobre o álcool, descobrirá que, provavelmente, já formou algumas ideias erradas sobre o assunto. Por outro lado, é nestas idades que começam os primeiros consumos. De todos os estudos realizados nos últimos anos sobre este assunto em muitas escolas a diferentes níveis de escolaridade, a nível europeu, podemos destacar os seguintes dados: Em média, 80% das crianças com idades entre os 11 e os 13 anos de idade experimentaram o álcool em alguma ocasião.
HABILIDADE 1: Desafie os mitosA televisão e o cinema são fontes importantes de transmissão de conhecimentos sobre o álcool. Contudo, muitas das informações recebidas pelas crianças e adolescentes através destes meios são erradas. Após uma abordagem a cada mito e cada facto, você pode discutir alguns dos mitos que o seu filho vai interiorizando, introduzindo de forma casual, perguntas abertas como as que sugerimos em seguida.
MITO 1: "Todas as pessoas famosas e com talento bebem álcool"FACTO: Na sua maioria as pessoas famosas e com talento não bebem bebidas alcoólicas. Mais ainda, o simples facto de consumir bebidas alcoólicas não dá fama a ninguém ou torna alguém criativo, pelo contrário o seu consumo abusivo pode provocar efeitos exactamente contrários.
PERGUNTA: "Porque pensas que aparecem tantas pessoas famosas na publicidade?"
MITO 2: "Quando as coisas correm mal, beber um copo pode ajudar"FACTO: O álcool afecta as pessoas de forma diferente. Inclusive, pode afectar de diversas maneiras a mesma pessoa em diferentes ocasiões. Uma bebida alcoólica pode transmitir uma sensação de relaxe ou de alegria, mas também uma sensação de enjoo, de tristeza ou de depressão. Em qualquer caso, beber não é solução para nenhum problema.
PERGUNTA: "Que poderia acontecer a uma pessoa que bebe muito, quando a vida lhe corre bem?"
MITO 3: "O álcool é inofensivo. Não faz mal"
FACTO: O álcool é uma droga que provoca dependência, chegando a ser necessário consumi-lo continuamente para que o consumidor não se sinta mal. O álcool faz com que algumas pessoas enfrentem riscos desnecessários, que de outra forma o não fariam. Por exemplo, conduzir um carro, nadar, quando não têm controlo sobre si próprios. Riscos estes que em algumas situações afectam outras pessoas.
PERGUNTA: "De que modo é afectado o organismo de uma pessoa que abusa do álcool?"
MITO 4: "Sou melhor na competição desportiva, quando bebo álcool" FACTO: Beber álcool entorpece a capacidade de pensar e diminui a capacidade de coordenar os movimentos. Contudo, pode sentir-se mais forte e mais hábil do que realmente é.
PERGUNTA: "Porque é que conduzir sob os efeitos do álcool provoca tantos acidentes de trânsito?"
MITO 5: "Beber álcool é a melhor forma de celebrar acontecimentos"FACTO: O álcool pode ou não fazer parte de um momento agradável, mas não é necessário para que uma pessoa se sinta bem. As pessoas que afirmam que têm de beber álcool para se "divertirem", provavelmente têm já algum problema e necessitam de ajuda para o ultrapassar.
PERGUNTA: "Como é que tu achas que alguém se pode divertir sem consumir álcool?"
MITO 6: "Beber álcool relaxa as pessoas, ajudando-as a fazer novos amigos"FACTO: Conhecer novas pessoas pode provocar ansiedade, em particular entre os jovens que estão no início da sua vida social. Se para ultrapassar a timidez se servem do álcool em vez de desenvolverem as suas capacidades para fazer novos amigos, podem crescer sem aprender habilidades sociais básicas para chegarem a ser adultos bem adaptados à sociedade onde estão inseridos. É necessário aprender a maneira de fazer amigos sem a influência "relaxante" do álcool.
PERGUNTA: "De que podes falar quando conheces alguém pela primeira vez?"
MITO 7: "Os jovens que bebem álcool são os mais populares"FACTO: Assumir riscos para a sua saúde e sua segurança é pouco inteligente. E aquelas pessoas que você quer ter como amigos não vão querer que arranje problemas.
PERGUNTA: "O que significa ser popular?"
MITO 8: "Todos os jovens bebem e fumam. Os que o não fazem são uma minoria"FACTO: Menos de 10% dos jovens com idades entre os 11 e os 13 anos são consumidores habituais de álcool e apenas 4% dos alunos entre o 9º e o 12º ano afirmam fumar todos os dias. Portanto, são uma minoria os que introduzem no seu estilo de vida o consumo habitual de álcool e tabaco.
PERGUNTA: "O que pensas das crianças que bebem e fumam?"
HABILIDADE 2: Explique de forma clara porque é que os menores não devem beber Uma razão pela qual o seu filho não deve beber é porque essa é uma norma estabelecida na sua família. A investigação demonstra que as crianças cujos pais mantêm uma atitude desfavorável ao consumo de tabaco, têm menos probabilidades de começar a fumar. Esta mesma ideia pode aplicar-se ao uso do álcool. A atitude expressa pelos pais e o estabelecimento de normas claras, e na medida do possível, negociadas com os filhos de acordo com a sua idade, podem ser instrumentos poderosos para os ajudar a dizer NÃO ao álcool e a outras drogas.
Por vezes, os pais supõem que os seus filhos compreendem bem as razões pelas quais não devem beber álcool, e consequentemente não explicam nada. Mas lembre-se: Os amigos dos seus filhos podem estar permanentemente a dizer-lhe, que beber é um comportamento desejável e os meios de comunicação social, por vezes, parecem fazer do consumo algo de muito excitante.
Seguidamente, expõem-se algumas razões com as quais você poderia fazer entender aos seus filhos porque é que os menores não devem beber, e ajudá-lo a ver a outra face do consumo do álcool.
RAZÃO 1: Consumir álcool é perigoso para as criançasO consumo de álcool durante a infância pode ter sérias consequências a longo prazo. Conhecemos os danos provocados nos bebés cujas mães consomem álcool durante a gravidez, e sabemos, também, que beber grandes quantidades de álcool, independentemente da idade, pode ter graves consequências no futuro. Tanto mais se o organismo da pessoa que bebe se encontra em crescimento. O corpo do seu filho é demasiado precioso para ser transformado em cobaia.
RAZÃO 2: As actividades diárias dos seus filhos não são compatíveis com o consumo de álcool As crianças e/ou adolescentes estão, contudo, em crescimento e ao terem um peso menor que os adultos, sentirão os efeitos do álcool ainda que ingiram pequenas quantidades. Devido à maturidade psicológica ainda não se encontrar completa, podem ter dificuldades para controlar as emoções produzidas pelo álcool. Crescer não é fácil e os seus filhos necessitam de ter a mente clara para chegarem a adultos saudáveis. Por outro lado, o álcool torna mais difícil a concentração nas tarefas escolares e interfere com a prática desportiva.
RAZÃO 3: A venda de álcool a menores deveria ser ilegal No nosso país, a venda de álcool a menores não é proibida, ao contrário de outros. Contudo, deveria adoptar-se alguma medida que informasse os vendedores a, pelo menos, pedirem a identificação aos jovens que tentassem comprar álcool. Por outro lado, a entrada nos espaços de diversão nocturna, onde se bebe álcool por excelência, deveria ser controlada de forma mais eficaz, para prevenir a admissão de menores de 16 anos.
Aos pais cabe um papel importante, sendo possível influenciar a tomada de medidas de política que reprimam o consumo de álcool, medidas estas já existentes em outros países europeus. Esta influência pode ser exercida individualmente (a Constituição Portuguesa consagra o direito a acções populares, contra organismos públicos ou privados, sem qualquer custo), ou participando nas associações de pais, associações de inquilinos, etc.
HABILIDADE 3: Escolha o momento adequado para conversar com o seu filho As crianças podem começar a fazer perguntas sobre o álcool desde tenra idade. A partir das respostas que obtêm começarão a formar as suas ideias sobre o álcool. Para estar seguro de que o seu filho entendeu a informação detalhada dos enunciados "Desafie os Mitos" e "Explique claramente porque é que os menores não devem beber", não é necessário ter uma conversa formal, muito séria. Procure momentos em que o seu filho tenha vontade de falar e introduza o tema de forma descontraída e não ameaçadora.
Um bom momento poderia ser no decurso de cenas de consumo de álcool na televisão, quando apareçam anúncios publicitários numa revista/jornal, ou quando alguém beba em excesso numa festa. Os educadores chamam a estas situações naturais, " momentos chave" para ensinar. Os comentários que se façam nestas situações são mais efectivos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário