22 junho 2011

Alcoolismo e espírito

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 1

O alcoólatra e suas consequências espirituais sobre o vício, mesmo estando encarnado ou desencarnado, em conjunto com uma obsessão que ira arrastar por centenas de anos, até que o espírito possa assumir sua própria responsabilidade sobre si mesmo, e saber que é eterno responsável pelos seus atos.
O álcool é maléfico, humilha, deprime, e mata, quando o ser humano abusa de sua ingestão e chega a degradar-se pela embriaguez, o alcoolismo deveria ser enquadrado mais como um problema patológico, pois o alcoólatra é um doente, que se enferma por sua livre e espontânea vontade.

A embriaguez também produz lastimáveis e perigosos efeitos no corpo físico, ofende os delicados centros cerebrais, e rebaixa o ser humano em seu conceito de moral humana, o alcoolismo, lesa a vitalidade do corpo físico, embriaga-se o rico com o uísque e o pobre com a cachaça, ambos se envenenam, pelo tóxico nocivo.
Na Terra tanto abusam do álcool pessoas sadias, enfermas, moços, mulheres, velhos, religiosos, cientistas, analfabetos, mendigos milionários, e até lideres espiritualistas, por ironia do destino todos os seres humanos se igualam pelo vício do alcoolismo, independente de sua cultura, os responsáveis pela sanidade da vida humana, não tem interesse em acabar com esse flagelo, teriam em primeiro lugar acabar com o vício em si mesmo.
O álcool é o maior responsável por todos os acontecimentos trágicos do mundo, a evolução dos habitantes da Terra é primária, e justifica os indivíduos desordeiros, inescrupulosos, injustos, cruéis, mistificadores, ciumentos, e desregrados, são criaturas ainda desatinadas pela cobiça, ambição, pilhagem, e guerras sangrentas, em sua maioria, preocupados exclusivamente com seus interesses pessoais.
O álcool degrada o moço negligente, a mulher ingênua, o homem desesperado ou o velho desiludido.
Estas observações não é uma crítica, são fatos reais que bilhões de espíritos encarnados passam no mundo diariamente, alterando a estrutura do seu corpo físico e espiritual, e depois sofrendo as suas consequências.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 2

O alcoólatra é o indivíduo que já perdeu o senso direcional do seu espírito, vive sob o comando de uma entidade desencarnada, que comanda todas as suas ações da vida física e até depois que desencarnar, é uma obsessão para ser desvinculada por séculos.
O alcoolismo é o responsável direto pela maior parte de latrocínios, prostituições, doenças, misérias, luxúria, orgias, desordens, desventuras domésticas e violência familiar.

A indústria do álcool e o comércio é igual a um vampiro a sugar as forças sadias de toda humanidade, o álcool devora o organismo do ser humano, além de ser combustível indireto da tuberculose, câncer, cirrose, sífilis, problemas renais e pancreáticas, embrutecimento cerebral, imbecilidade, histeria, epilepsia, neuroses, lesões orgânicas, prostração física, enfraquece o sistema nervoso, problemas hereditários e esterilidade.
A Alemanha tem orgulho de sua cerveja, a Rússia da vodka, a França, Espanha, Portugal, e Itália se orgulham dos seus vinhos, a Escócia e a Inglaterra se orgulham do seu uísque.
A América Latina faz propaganda do seu rum de cuba, o México se orgulha de sua tequila, a Argentina se orgulha de sua cidra, e o Brasil se orgulha de sua cachaça, imaginem a situação da humanidade planetária e suas doenças físicas e espirituais, o alcoolismo é responsável por gerar enfermidades, degenerações orgânicas, crimes, desastres, acidentes, infelicidades, e desencaminha a juventude.
O alcoólatra quando desencarna sofre no perispírito as consequências destruidoras da ação corrosiva do tóxico alcoólico, muitos seres humanos que se fartaram de álcool, deixaram a família à míngua de um pedaço de pão, ao desencarnar acorda no além túmulo assustado, e desgraçado ante a tragédia que passara a viver em si mesmo.
Estão colhendo de imediato as ações do álcool em seu corpo espiritual ou perispírito por dezenas de anos, como um fogo ardente a lhe queimar, sem nunca ter fim, e a drenar as toxinas alcoólicas criada pela sua própria imprudência.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 3

O alcoólatra quando desencarna, o seu perispírito fica desfigurado pela ação corrosiva, etéreo astral do álcool plasma um aspecto larval, vampírico, e horrível, que impressiona e assusta as almas mais tímidas.
O alcoólatra descuida-se do seu vestuário, torna-se excêntrico e extravagante, vive a vida de seu modo e confunde anormalidades censuráveis, com naturalidade, irrita-se com facilidade, discute com as coisas mais simples e tolas, contradiz suas próprias palavras, revolta-se, rebaixa-se moralmente, e perde o senso psicológico do ambiente.

Vive uma existência à parte, os seus delírios são constantes e mesclados de alucinações visuais e auditivas, degeneram-se seus órgãos físicos, inflama seus intestinos e o estômago sob a ação corrosiva do álcool, atrofia o fígado, dificultando a drenação renal, e o coração se torna cansado.
Então seu aspecto modifica em uma feição estranha, o rosto fica de cor terrosa, os olhos empapuçados e injetados de sangue, e quando desencarna, vê sua imagem refletida na condensação fluídica do meio astralino, alguns fogem apavorados de si mesmo, pensando que esta vendo um fantasma, mais na realidade esta vendo seu perispírito deformado pelo seu próprio vício no decorrer da vida quando encarnado.
O álcool produz certa euforia ou uma sensação de bem-estar no ser humano, que pode ser agradável dar um tempo para as mágoas da vida, mas certos indivíduos tímidos e introvertidos, que depois de beberem álcool passa a fazer, piadas, ficam irônicos, desembaraçados e audaciosos, mais o álcool não os tornou mais inteligentes.
O álcool mostrou a realidade desse espírito e sua fraqueza perante o vício, ou a influência de uma entidade alcoólatra que já esta comandando igual a um boneco, dominando sua vontade e lhe afundando cada vez mais na imoralidade física, gerando descrédito perante a sociedade e sua família um péssimo exemplo para seus filhos e colher sofrimento no decorrer de sua vida.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 4

O câncer tem sua origem em diversos fatos, tanto por vírus, químicas, traumáticas, enzimáticas e psíquicas, sobre a função de animália e desordem do ritmo da vida, a maior proporção destruidora provém do carma de espíritos, que em vidas passadas, usaram mal as forças criadoras, em seu interesse e seu egoísmo, causando prejuízos ao seu próximo.
O câncer é uma materialização das atitudes humanas censuráveis ou uma alteração do ritmo normal da vida, outra causa que pode gerar o câncer, é a alimentação nociva, no vício do álcool, do fumo, do entorpecente, e descontrole excessivo sexual, abortos, e violências mentais gerada pelo espírito no seu uso de seu corpo físico.

O ser humano é o único que vive sobre o planeta, gerando todos os tipos de desarmonia ambiental, e física perante si mesmo, produz todo tipo de violência mental e física que se possa imaginar, busca o predomínio sobre o outro para satisfazer suas necessidades materiais e físicas, gera guerras em nome da democracia, produz armas em nome da defesa, mais vende as armas para os dois lados em conflitos, busca uma posição social e financeira ilusória e acaba com um câncer a lhe consumir vivo aos poucos minando sua própria vitalidade.
A cura do câncer esta no espírito e sua forma de usar o seu corpo físico, é na realidade mental só depende o espírito compreender sua verdadeira realidade evolutiva e eterna, e sair da faixa primária do animal, para a faixa superior da harmonização de si mesmo, conquistando sua luz que o criador criou dentro de si, e partir para o caminho do futuro anjo, que é significado do puro sem maculas, mais uma vivência harmônica neste pequeno planeta que damos o nome de Terra, perante o universo é apenas um pequeno grão de areia em conjunto com outros bilhões, com suas coletividades espirituais em evolução, com um corpo físico ou perispírito que é o corpo fluídico existente em todo o universo.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 5

O câncer é consequência de qualquer alteração no ritmo normal da vida, o álcool, pelo seu efeito corrosivo e degenerativo facilita mais o clima eletivo para mais rapidamente se manifestar o câncer, a ingestão contínua do tóxico alcoólico nos tecidos delicados do organismo físico inverte os pólos criadores da vida e propicia o câncer.
As células desvitalizam e se modificam em seu esquema biológico até se tornarem um lixo microrgânico, minando sua base criadora, da mesma forma, a radioatividade em excesso ataca a intimidade delicada da medula óssea e altera a função criadora do processo da hematopoese, que é responsável pela produção de glóbulos vermelhos, do que resulta a leucemia ou o câncer sanguíneo

Assim, os espíritos que, na sua ambição e ignorância das leis da criação, mobilizaram certa energia primária, de fácil inversão destruidora, terão que suportar a dolorosa condição de cancerígenos futuros, o câncer sempre ataca os órgãos que estão mais vulneráveis, do ser humano alcoólatra, que são o esôfago, o estômago, os pulmões, e os fumantes.
A cirrose é especialmente provocada pelo abuso do álcool, René Laenne, fundador da medicina anátomo- clínica, verificou que 90% dos casos de cirrose eram motivados pelo álcool.
O álcool penetra quase totalmente na estrutura do fígado, que então degenera pela proliferação gordurosa e a constrição das veias oriundas do intestino, sob tal pressão, o sangue é obrigado a filtrar, a sua parte líquida na região do ventre, surgindo então a ascite, uma moléstia, mais conhecida como barriga d água.
O álcool acelera o curso mórbido do fígado nas criaturas deficientes , sendo uma imprudência a embriagues, quando ainda não se sabe como é o potencial de resistência desse órgão ao álcool, ai surge à cirrose, e nada mais poderá ser feito, o fígado é um órgão muito importante na vida do ser humano é o mais difícil de recuperação.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 6

O álcool excita e acelera as contrações do coração, elevando o metabolismo da vida que se esgota mais cedo e o altera no seu trabalho de diástole e sístole, a aceleração do metabolismo cardíaco por meio do álcool num sistema circulatório já intoxicado também provoca a depressão mais cedo.
O alcoólatra, quando atingem a velhice sofrem de má circulação sanguínea, devido à opressão da rede vascular e á estagnação do sangue,mais na superfície do corpo do que em sua intimidade, deixa as faces congestionadas, olhos injetados, o ser humano fica mais exposto ás afecções bronquiais, resfriados, gripes, pigarros, laringites e asma.

Quem nasce descendente de família alcoólatra é estimulado pelo desejo de beber, não à dúvida de que, em existências passadas, entregou-se a tal vício, e provavelmente seja o próprio responsável pelo vício alcoólico da família onde encarnou, muitas vezes o avô ou bisavô, alcoólatra retorna à mesma família, como neto ou bisneto, com a responsabilidade de eliminar em si mesmo o vício do álcool que impôs a sua linhagem familiar.
O álcool é prejudicial à gestação, e quando as mães o ingerem em demasia durante a gravidez, perturba a formação do feto e podem dar a luz com casos de histeria ou esquizofrenia, a casos também em que degenera o filho gerado sob a ação do álcool, mesmo por parte do pai ou dos pais, e comum na noite de núpcias, em que o gérmen pela fecundação já inicia o seu ciclo de vida sob a ação tóxica do álcool.
A surdez, os defeitos de visão, as paralisias, a mudez, e outros efeitos patológicos também podem ser de origem alcoólica, o espírito que foi alcoólatra na existência passada será encaminhado para descender de pais alcoólatras, cujo processo se efetua por afinidade espiritual e nunca sob determinação divina ou injustiça, é a lei de afinidade, ação e reação, os semelhantes se atraem, que se faz cumprir sob os atos impensados do passado.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 7

A lei do carma age a cada segundo cumprindo os objetivos do espírito culposo em suas atitudes, os pais que se embriagam e ao terem uma relação sexual, podem lesar o gérmen da fecundação, e gerar um corpo defeituoso para o espírito que será seu futuro filho, os futuros pais se candidatam à amargura de procriarem filhos retardados, esquizofrênicos, mentecaptos, nevropatas, ou alcoólatras.
O corpo físico é o instrumento de ação do espírito na matéria, que representa na sua formação o estado evolutivo e o processo cármico que devera passar para buscar a harmonia que perdeu em vidas passadas pelos seus procedimentos negativos.

O ser humano ainda não se conhece a si mesmo, por isso é um ser primário no comando de suas emoções, vivendo pelo instinto, as paixões e violências que estão reprimidas quando provocado na sua personalidade, o ser humano que é um grande artista a disfarçar a sua realidade psíquica, agindo conforme as circunstâncias, há momentos que não consegue se controlar a sua carga emotiva do seu espírito, e acaba se revelando a sua verdadeira individualidade oculta, e demonstrando seu estado evolutivo e espiritual.
O alcoólatra afrouxa o controle psíquico por efeito da ação tóxica e entorpecente do álcool, a sua mente passa para a frequência vibratória da faixa animal, onde dominam as paixões e os impulsos descontrolados da cólera, violência, e agressividade.
A seres humanos pacíficos, tímidos e gentis, depois de alcoolizados, ficam agressivos no lar, nas suas relações sociais, desfazem longas amizades, o instinto inferior animal que ficou represado pela consciência em vigília, surge à tona sob o tóxico alcoólico, revelando a autenticidade da sua evolução espiritual.
Na família que cultuam o vício do álcool podem liberar na memória psíquica ou espiritual de vidas passadas, e reconhecerem espiritualmente seus algozes ou suas vitimas, que hoje estão ligadas pelos laços do sangue, como marido ou mulher, e mesmo os filhos, para se acertarem em suas diferenças de ódio, rancor, magoa, e desenvolver o verdadeiro amor pelo seu semelhante.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 8

Sobre o efeito do álcool o espírito encarnado identifica ou pressentem velhas inimizades, começa a surgir o ódio, a vingança e despeitos que estavam adormecidos no seio de seu espírito, dominam insultos e ódios, no estado de embriagues, o espírito do ser humano flutua sobre seu corpo físico, e sua percepção e memória psíquica aumentam, abrangendo os fatos, que viveu em vidas passadas, e reconhece pelo instinto, os seus desafetos pela nova forma física, como seus familiares.

O perigo do alcoolismo entre os membros da mesma família, em que os espíritos primários estimulados pelas lembranças de vidas passadas, podem gerar tragédias e praticar vinganças inesperadas, e passam a se massacrar entre si, marido e mulher, filhos e pais.
O alcoólatra esta sempre sob uma obsessão de um espírito desencarnado que foi alcoólatra, ou um malfeitor, podendo ser um adversário do conjunto familiar que incentivam a beber cada vez mais e mentalmente faz com que o alcoólatra pratique até crimes, e outros tipos de tragédia, se tornando uma marionete, comandado pelo espírito desencarnado.
O álcool mata, dizima, e desonra a humanidade pelos crimes ocorridos nos lares e nas ruas, através de acidentes e das imprudências de todas as espécies, o ser humano viciado, se torna escravo do vício do álcool, só poderá integrar-se novamente na comunidade dos espíritos libertos desse vício, depois de recuperar novamente o seu domínio, mental, psíquico e físico.
O ser humano escravo do álcool só consegue retornar o comando do seu organismo, se agir tão impiedosamente contra si mesmo, tanto quanto é tiranizado, pelo vício, a existência humana é um estágio rápido para o espírito treinar e dispor de sua vontade, a fim de poder criar nas regiões espirituais onde a vida se manifesta, na sua autenticidade divina.
Sob qualquer hipótese, o ser humano não deve lesar o organismo físico que lhe é confiado por DEUS, a fim de modelar a sua própria ventura espiritual.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 9

São poucos os encarnados que conhecem o terrível perigo que se oculta através do desregramento pelo álcool, se tornando vulnerável e um instrumento dos de ex-alcoólatras já desencarnados, os espíritos viciados pelo álcool continuam a sofrer no além-túmulo os horrores do desejo insatisfeito, que aumenta ainda mais devido à vibração rapidíssima do perispírito liberto da carne, então um meio de se satisfazer suas necessidades os mais inescrupulosos e cínicos não vacilam na sua prática, em escravizar os encarnados para serem a função de ponte viva, ou um fornecedor de energia para se satisfazer.

O desejo é furioso, esmagador e masoquista, a vítima desencarnada alucina-se vendo visões pavorosas e de aniquilar, e quando isso acontece os espíritos inescrupulosos são capazes das maiores infâmias e torpezas contra os encarnados, desde que possam minorar o a sede ardente do álcool.
São espíritos que desencarnaram e deixaram seu corpo físico cozido pelo álcool, e despertaram enlouquecidos pelo desejo desesperado de satisfazer o vício, e acabam se tornando obsessores ferozes em busca de um espírito encarnado para lhe servir em sua necessidade, os obsessores atuam incessantemente no alcoólatra, a fim de torná-lo sem controle de raciocínio, para que possa conduzi-lo sempre em seu favor, não se importando com o estado emocional ou físico de sua vítima.
Com o passar do tempo já dominam o estado mental do alcoólatra, e acabam incorporando em seu corpo por intermédio da mediunidade, fazendo o infeliz se transformar e provocar confusão, zombaria, posição física censuráveis, palavrões, ofensas públicas, gargalhadas cínicas, e agressividade, que desencorajam até aqueles que o querem ajudar.
Os obsessores sabem que os seus fornecedores de energia por intermédio do álcool desencarnam prematuramente, aniquilados pelo excesso do álcool destruidor, e quando isso acontece o deixam entregue à sua terrível sorte.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 10

Os obsessores, não tem quaisquer sentimentos de nobreza, sem moral e exclusivamente preocupado na satisfação de seu vício, pouco lhes importa a agonia, o sofrimento e a degradação pessoal ou familiar, dos alcoólatras que os serviram como alimento para suas necessidades.
O alcoólatra já em condições física comprometida ao caminho de mais alguns anos para seu desencarne é largado por conta de seu destino, não serve mais por que só ingere pouco álcool, o que não satisfaz as necessidades do seu obsessor , que tem o desejo ardente e insaciável, e o ser humano para ele e simplesmente comparado a um alambique humano, que já não tem mais uso algum.

O alcoólatra quando desencarna o seu desligamento do corpo físico, não destrói os seus desejos, pois estes são psíquicos e não físicos, o perispírito em conjunto formado pelo corpo mental responsável pelo pensamento e o corpo astralino, que é a sede dos desejos e das emoções do espírito.
Após o desencarne, ai aumenta o desejo ardente do desencarnado pelo álcool no mais atroz desespero, porque ele esta sem condições de satisfazer o seu vício por não ter mais o corpo físico, em que transformou em um verdadeiro alambique vivo.
Ao desencarnar cada espírito tem uma reação alguns procuram drenar seus perispíritos no plano espiritual, para reconquistar seu equilíbrio, curtindo seu próprio sofrimento, causado pela sua imprudência, outros preferem se juntar a grupos ou se escravizar, em bandos de malfeitores do além, buscando satisfazer o seu vício por intermédio de um espírito encarnado se tornando um vampiro da força vital do seu próximo.
Estas informações são para você que se deixa levar pelo caminho do vício do álcool, não importa a quantidade que você ingerir, quebrando as defesas naturais da vida física e espiritual que DEUS criou, e se tornando um objetivo de satisfação para os espíritos desencarnado, que foram alcoólatras e quando você desencarnar poderá se tornar mais um obsessor.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 11

O alcoólatra perde o seu comando psicológico e espiritual, se torna um verdadeiro, fornecedor e um boneco a ser comandado pela vontade dos desencarnados alcoólatras, os espíritos desencarnados perverso e viciados procuram as criaturas vítimas da bebida alcoólica, porém enfraquecidas de vontade ou escravas de paixões inferiores, a fim de transformá-las em um doador gratuito para que possam absolver as emanações do álcool, através do estomago dos seus fornecedores, em uma simbiose fluídica, sugando os fluidos etílicos que são produzidos na decomposição digestiva.

Quando o alcoólatra desencarna e sai em busca de se satisfazer o seu vício, tem que procurar um encarnado que possa dominá-lo já na posição de um obsessor, ajusta seu perispírito ao duplo-etérico do encarnado, que esta iniciando no vício do álcool porque precisa ter sua fonte própria para alimentar seu vício, por não ter um corpo físico.
No começo deste domínio, o obsessor precisa afastar as boas amizades, proteções e circunstâncias que envolvem a sua fonte de energia e candidato a um recipiente alcoólico, e necessário isolá-lo, tanto quanto possível, da própria família, através de conflitos, desentendimentos e repulsas.
Alguns obsessores levam anos, vigiando e influenciando sua vítima até à degradação máxima, pois quando mais o ser humano se embriagar e perder sua dignidade, mais lhes atende à sensação pervertida, e assim o obsessor que se torna um vampiro consegue o seu domínio completo sobre o seu boneco encarnado, cerca-o de todos os cuidados e o protege contra acidentes, agressões, a fim de usá-lo até sua condição física não suportar mais o álcool em quantidade suficiente para manter o seu vampiro ou obsessor, ai o deixa por conta de si mesmo, como se joga fora um sapato velho sem uso, e esta hora que este espírito vai colher o fruto dos seus próprios procedimentos, e o obsessor ira procurar outra vítima, imprudente como você foi.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 12

O alcoólatra desencarnado não tem mais seu corpo físico não pode usufruir integralmente o álcool ingerido pelo alcoólatra encarnado pois só aproveita os fluidos etéricos volatizados na operação digestiva, o obsessor induz para que seu fornecedor de energia beba até se embriagar e cair.
Muitos alcoólatras afirmam que uma força oculta os abriga a beber, mesmo depois de estarem intoxicados e debilitados, é o infeliz fornecedor de vapores alcoólicos aos vampiros do além tumulo, acaba com seu corpo físico até terminar seus dias como um farrapo humano encharcado pelo álcool.

Os obsessores em busca de seu fornecedor de energia freqüentam os bares, prostíbulos, casas de jogo, nas boates, e alguns buscam os lares indefesos,que cultuam o vício alcoólico, e onde encontram o ódio, ciúme e irascibilidade dos familiares, envolvem suas vítimas e as incentivam a toda sorte de desentendimento, discussões, e aflições, para que elas busquem o lenitivo no vício da bebida.
Estes alcoólatras e obsessores são espíritos sedentos, perigosos e desfigurados na sua constituição do seu perispírito que é deformado de sua figura humana, são profundamente ciumentos, enfurecidos, cruéis, e vingativos, castigam e perturbam seus fornecedores, quando lhes fornecem quantidade insuficiente de álcool, ficam insatisfeito e enfurecido chegando às raias da loucura.
Os fornecedores de energia são encontrados nas classes miseráveis, ou alguns seres humanos sem lar, na classe média e rica, como intelectuais, boêmios, poetas de alta classe ou qualquer um ser humano que tiver predisposição de se tornar um viciado no álcool.
Os obsessores ou vampiros não se importam com as posses financeira, cultura, hierarquia ou privilégios de classe dos encarnados, qualquer ser humano em um estado depressivo rico ou pobre sábio ou analfabeto, pode ser um fornecedor de energia, porque perdeu o bom senso e o comando de si mesmo, e se tornou uma presa fácil de ser controlado por um obsessor ou vampiro malévolo e sem moral espiritual.

Alcoolismo E Suas Consequências – Parte 13

Os vampiros alcoólatras procuram provocar irritações, desforras, e frustrações ou ciúmes entre os seres humanos que tem afinidade à bebida, são fortes candidatos a fornecedor de energia e futuros bonecos vivos a serem manipulados, depois de devidamente domesticados pela ação mediúnica dos obsessores, se irritam facilmente por qualquer contrariedade ou frustração, e depois procuram afogar suas mágoas e ressentimentos na bebida.
Este tipo de ser humano são criaturas melindrosas no amor próprio, e fraca de vontade, que se perdem facilmente o controle de suas emoções, e acabam se sintonizando mentalmente com os obsessores ou vampiros alcoólatras e acabam sendo dirigidas por uma vontade oculta.

Os vampiros alcoólatras aliciam criticas, censuras, desentendimento e humilhações entre seus prováveis candidatos ao alcoolismo, nos locais de trabalho, veículos de transportes, nas competições esportivas, casas de diversões e nos próprios lares, em que a família não cultua a oração a DEUS e seus mentores espirituais, abrindo o campo mental de proteção dos fluidos dos seus mentores.
Os obsessores e vampiros alcoólatras associam as coincidências mais perturbadoras nos momentos de descuido e aceleram a desarmonia íntima, tudo fazendo para intuir a sua vítima a encontrar o seu calmante na bebida.
Não é tão difícil atuarem os obsessores nos lares perturbados, pois é evidente que, ali estão encarnados velhos adversários do passado, ainda rancorosos, irritados, impacientes e odiosos, cujo insulto se torna visível ao motivo mais banal gerando grandes desentendimentos.
Todos estes fatos são para refletir o grau de evolução da nossa humanidade planetária, e sua condição de evolução primária , uma sociedade doente do espírito a refletir em seu corpo físico, tendo que enfrentar várias encarnações à frente com deficiência física e mental, para buscar dentro de si mesmo sua própria razão de viver, e ser um espírito eterno, e responsável pelos seus atos bons ou maus, mais a caminho de sua dignidade moral e espiritual para a angelitude.

3 comentários:

  1. grande matéria..... parabens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Maria Jose isso é um grande incentivo para sempre tentar melhorar e alertar as pessoas do grande perigo que é o álcool.

      Excluir
  2. parabéns! me esclareceu bem sobre como os obsessores se utilizam dos alcoólatras...

    ResponderExcluir