21 junho 2011

Alcoolismo - Evaldo Braga - álcool e acidente fatal - com vídeo



Evaldo Braga, o primeiro 'idolo negro' do pop moderno, pós-Roberto Carlos
* Fernando Rosa"Eu não sou lixo." Quem não conhece essa música? Ou, então, "Sorria, Sorria" ... ou, ainda, "A Cruz que Carrego"... As três estão impregnadas na memória popular, quase como obras de "domínio público". Tão profundamente que invadiram até mesmo o mundinho elitizado da asséptica classe média. Ainda hoje, seu túmulo, no cemitário do Caju, no Rio de Janeiro, é um dos mais visitados na época de finados.
Cantor e também compositor, Evaldo Braga é o primeiro "idolo negro" do pop moderno, pós-Roberto Carlos. Espécie de "Kurt Kobain" da música "brega", teve uma carreira meteórica, interrompida pelas drogas, no caso
o álcool, que resultou em um acidente fatal, na BR3, antiga Rio-BH, no dia 31 de janeiro de 1973. Ele tinha apenas 25 anos e deixava um legado de canções que traduziam o sentimento de abandono de milhões de brasileiro.
Em cerca de três anos, Evaldo Braga gravou apenas dois discos e diversos compactos e se apresentou em diversos estados do país. 'O Ídolo Negro' foi o primeiro LP, lançado em 1971, pela Polydor. O segundo, 'Ídolo Negro – Volume 2', também pela Polydor, saiu um ano depois. E, pelo mesmo selo, ainda existe a coletânea 'O Melhor do Ídolo Negro', editada vinte anos após a sua morte. O suficiente para transformá-lo em sucesso nacional.
Evaldo Braga teve uma infância e adolescência literalmente miserável, boa parte vivida nas ruas - sua história é contada na música 'Revelação de Um Sonho', de Carlos Alexandre, outro ídolo do gênero - o mais 'punk deles'. Nascido na cidade de Campos (RJ), sem conhecer os pais, descobriu, já grande, que era filho de uma prostituta, e que sua mãe o havia abonado em uma lata de lixo. Ainda jovem, trabalhou como engraxate na porta da rádio Mayrink Veiga, onde conheceu diversos artistas. Ali, descobre a sua vocação e uma forma de exorcizar seus dramas e sofrimentos.
Em 1969, conheceu o produtor e compositor Osmar Navarro, que o levou para gravar as primeiras composições. Pouco tempo depois, inaugura a carreira com o primeiro LP, 'O Ídolo Negro'. Nele, está a clássica 'A Cruz que Carrego', um dos seus maiores sucesso, até hoje regravada e cantada país afora. O segundo LP, em 1972, trazia seu grande sucesso 'Sorria, Sorria', parceria com Carmen Lúcia, e ainda 'Eu Não Sou Lixo', que trouxeram a consagração definitiva junto ao público, tornado-se hit popular.



20 comentários:

  1. eu e minha familia saimos de divinopolis mg para passarmos ferias em bom sucesso mg quando ouvimos comentarios da morte deste que foi e continua sendo nosso idolo

    ResponderExcluir
  2. sem duvida meu idolo,tambem gosto de todas as musicas dele naquela epoca não tinha muinta midia pouca coisa se sabe sobre o acidente josoe,teixeira lemes maracaju MS

    ResponderExcluir
  3. com certeza sou fã do evaldo e como falo com meu amigos e ele estivese vivo ele seria a rei . e nao roberto carlos .

    ResponderExcluir
  4. este era o cara . geraldo leopoldina - mg

    ResponderExcluir
  5. EVALDO BRAGA NÃO ERA FILHO DE PROSTITUTA NEM FOI JOGADO NO LIXO! PRA MAIS INFORMAÇÕES ASSISTAM O DOCUMENTÁRIO ''O IDOLO NEGRO'',DE1997 NO YOUTUBE. ELE NÃO ESTAVA DIRIGINDO BEBADO!!!! E NÃO ERA ELE QUEM DIRIGIA O AUTOMÓVEL. FOI O MOTORISTA QUEM BATEU!!! PARE DE ESPALHAR LENDAS DE BOTECO E PESQUISE UM POUCO!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em primeiro lugar poderia ao menos ter a dignidade e caráter de colocar seu nome para atacar de forma tão estúpida as pessoas. Em segundo não sou dono da verdade e nem quero ser, mas toda matéria colocada no blog é pesquisada sim, e isso não quer dizer que não posso errar. Em terceiro lugar há diversas versões a respeito da morte do ilustra cantor, e uma delas é essa sr. cavalo : VELOCIDADE
      Segundo o perito Luís Hioti, da Delegacia de Três Rios, Evaldo Braga dirigia o TL de sua propriedade, placa GB RJ 5823 e desenvolvia grande velocidade. Numa das curvas da estrada foi de encontro à carreta, cujo motorista não teve culpa, uma vez que Evaldo trafegava na contra- mão.Após o acidente, o cantor só viveu quarenta minutos, vários deles entre as ferragens do veículo sinistrado. O caro anônimo acredita em um vídeo, mas acha que o resto de documentários feitos ao longo dos anos estão todos errados, inclusive a respeito de sua mãe. O blog não precisa de pessoas como o senhor anônimo, em que nada ajuda. Aceito criticas sim, aliás é através delas que tento melhorar, mas não aceito ser desrespeitado por um sujeito que nem coragem de colocar o nome para atacar as pessoas tem. Só falta o doutor sabe tudo dizer que Evaldo Braga não tinha problemas com álcool. Em lendas de boteco também consta que muitas pessoas do seu tipo sem educação, tem sérios problemas, e um deles é ser mal amado. Passar bem !

      Excluir
    2. Esqueceu de mencionar o lp espanhol que ele gravou, gosto do evaldo desde criança uma voz divina,nao vejo cantor com timbre dele hoje; outro rei da voz fou nelson gonsalves; ouvir dize tambem que ele nao foi achado no lixo.

      Excluir
    3. É a pura verdade não era o Evaldo que dirigia TL vosksvagem e sim o motorista, é o mesmo não foi encontrado no lixo, e sim foi seu pai que o levou ao orfanato já que à esposa do pai dele não aceitava porque ele foi fruto de relacionamento com uma vadia.

      Excluir
    4. O local do acidente exato foi no trevo que da acesso a cidade de três rios RJ, passei e parei no local muitas vezes ora com meu paí,tempos depois com minha esposa...em 73 eu tinha 9 anos e gosto muito deste cantor.

      Excluir
  6. Brigas a parte eu gostaria muito de ver vídeos de Evaldo Braga. alguem tem?

    ResponderExcluir
  7. Eu não a conheci mas o Brasil perdeu um grande talento sua voz era encantadora e imbatível

    ResponderExcluir
  8. Ele ainda um dos melhores cantor da minha preferencia.

    ResponderExcluir
  9. Estivesse vivo, Evaldo Braga completaria 67 anos em 28 de setembro de 2010. Não está mais entre nós, sua obra ficou. Morto prematuramente aos 25 anos de idade em um acidente, teve existência, obra e morte marcadas pelo trágico.

    Nascido na cidade fluminense de Campos dos Goytacazes, foi criado no SAM ( posterior Funabem- Febem). Nunca conheceu seus pais. Infância parecida com milhares de outras. Sua vontade foi sua diferença.

    O desejo pela fama sempre o acompanhou. Mantinha, ainda na Funabem, uma disputa com um colega seu: um dizia que ia ser um cantor famoso. Outro, que ia ser um jogador de futebol famoso. Esse colega era Dario Peito de Aço, o Dadá Maravilha.

    Sua evidência transformou sua história de vida pregressa em uma lenda, que proporcionou ao cantor uma experiência bem diferente do que a que ele já conhecia. Nesse momento sobravam mães em sua vida. Por onde passava, apareciam novas progenitoras. Procuravam-no em suas apresentações públicas. Apenas uma das mulheres que o procurou com essa finalidade o abalou.

    Evaldo, mesmo campeão de vendas, sentia-se inseguro. Queria reconhecimento. Que todos aceitassem seu sucesso. Irritado com as críticas que recebia, queixava-se com amigos: "- Olha aqui. O cara diz que não canto nada, né? Manda ele ver quantos discos eu estou vendendo. Diz pra ele." Chegou a afirmar em um jornal "Não faço música para a elite. Gravo para os que moram na Zona Norte, que entende as minhas músicas."

    Sua vida e as dificuldades que enfrentou até aquele momento da caminhada estão em suas músicas. "As minhas músicas estão inspiradas, quase todas, nesse tempo de luta e de sofrimento Elas espelham exatamente o que passei, que é, na verdade, o que muitos passam. Isso explica porque meus discos vendem".

    Morreu no ano mais promissor, segundo ele mesmo, de sua curta carreira. Em um acidente de carro na antiga BR-3 em trecho próximo ao município de Três Rios, no estado do Rio, Evaldo pôs fim a sua vida. Deixou uma legião de fãs desconsolados. O Cemitério S. João Batista na cidade do Rio de Janeiro, lotou. A comoção teve que ser contida com o apoio da tropa de choque da PM local.

    Evaldo era superticioso. Não andava sem uma espécie de guia enrolada em sua mão direita. No dia de sua morte, uma fã havia lhe arrancado a tal guia.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Realmente não se pode acreditar em tudo que se ouve ou ler na internet,quanta mentira,só um detalhe...não era o Evado Braga que dirigia na noite de seu acidente,o resto nem merece ser comentado !!!

    ResponderExcluir