14 junho 2011

Alcoolismo - Ofereça a seu filho um bom exemplo

Ofereça ao Seu Filho um Bom Exemplo


Os pais são modelos para os seus filhos, ainda que o não queiram. Provavelmente você já reparou nas alturas ou ocasiões em que os seus filhos o imitam, na sua forma de falar, ou no modo como faz alguma coisa. Os pais podem utilizar este tipo de influência para ajudar os seus filhos, crianças ou adolescentes, a evitar o álcool e as outras drogas. Você pode ser um modelo pelos seus próprios hábitos de consumo de álcool e pelas suas atitudes perante os hábitos dos demais.
 

HABILIDADE 1: Identifique os seus próprios hábitos de consumoNumerosos estudos demonstram que boa parte dos adultos parecem-se com os seus próprios pais, na maneira como lidam com o álcool. Aqueles que bebem álcool em grandes ou pequenas quantidades, ou que não bebem, tendem a ter filhos que na idade adulta comportam-se de um modo idêntico. Mas não é apenas a quantidade de álcool que você bebe, que você mostra aos seus filhos. Eles também percebem outros aspectos:
• A razão pela qual bebe (porque está deprimido, para relaxar, para comemorar, etc.)
• Quando bebe (depois do trabalho, enquanto vê televisão, às refeições, etc.)
• Se depois de beber você conduz ou faz alguma actividade que pode ser perigosa.
• Os efeitos do álcool no seu comportamento.
Todos estes comportamentos são chaves, para que os seus filhos formem as suas próprias ideias sobre o uso do álcool. As investigações demonstram que beber em excesso diante dos filhos não é um comportamento educativo. Mostrar-lhes que os adultos podem abster-se de álcool, ou utilizá-lo de modo ocasional e controlado é, sem qualquer dúvida, um exemplo muito mais positivo. Os pais que não bebem, podem cometer o erro de não falarem sobre o uso do álcool com os seus filhos. Estes pais devem ter presente que eles não são os únicos modelos que os seus filhos têm. Se você não bebe, converse com os seus filhos sobre as razões da sua decisão, utilizando argumentos concretos como os seguintes:

• Tenho crenças pessoais ou religiosas que me afastam do consumo de álcool.
• Não gosto do sabor do álcool.
• Gosto de controlar o meu comportamento permanentemente.
• Na minha família existem pessoas alcoólicas e prefiro não arriscar.
• Acredito que é melhor para a minha saúde não beber.
• Não quero engordar.
• Não necessito do álcool para nada.

HABILIDADE 2: Analise as suas atitudes perante os outros
Os pais também são modelos para os filhos na sua forma de reagir, perante situações que impliquem o abuso do álcool, por parte de outras pessoas. Os pais que considerem aqueles que bebem como gente chata, que se riem de uma bebedeira ou não dão importância ao alcoolismo, enviam mensagens que, por banalizarem o tema, fazem com que os filhos não atribuam a real importância que o problema tem.

Algumas formas nas quais você pode ser um bom modelo para o seu filho, são as que referimos de seguida:
• Não participe em actividades onde o álcool seja o centro de tudo
• Ofereça bebidas não alcoólicas aqueles convidados que as preferirem
• Nunca pressione os seus convidados a beber álcool
• Se um convidado seu se embebedar, transporte-o para a residência dele ou chame um táxi
• Não dedique parte do seu tempo livre a beber álcool
HABILIDADE 3: Enfrentar o problema quando um dos pais é alcoólicoOs filhos de pais alcoólicos correm mais riscos de se tornarem consumidores abusivos. Isto é devido a que uma parte da tendência para o alcoolismo é herdada dos pais, mas acima de tudo, o modelo negativo de um dos progenitores ser alcoólico pode reforçar esta tendência. A atitude do pai ou mãe alcoólicos, para com a de um pai ou mãe não alcoólico, pode fomentar modelos de comportamento prejudiciais para os filhos. O progenitor não alcoólico por não saber, ou poder, lidar com o seu companheiro(a) alcoólico(a), os efeitos da sua conduta afectam seriamente os filhos.
Algumas maneiras para enfrentar o alcoolismo no seio da família:
• Não negue ou tente esconder a realidade. As crianças apercebem-se dos problemas e os seus filhos podem ser capazes de enfrentar melhor a situação se você reconhece que o seu companheiro(a) é alcoólico(a).
• Informe-se sobre o problema do alcoolismo e partilhe os seus conhecimentos com os seus filhos. Entender as coisas elimina uma parte da ansiedade perante a doença.
• Faça saber aos seus filhos que não são responsáveis pela doença do pai, ou da mãe, e que as bebedeiras não estão relacionadas com o que as crianças fazem ou deixam de fazer. Deve ficar claro que não existe nenhuma razão para sentir qualquer tipo de culpa.
• Não transmita a sensação de que o alcoolismo é um tema tabu na sua casa. Isto fará com que os seus filhos pensem nisso frequentemente, enquanto que se partilharem os seus medos, pensamentos ou preocupações consigo, podem sentir-se mais tranquilos.
• Assegure-se que os seus filhos entendem que o alcoolismo é uma doença. Faça-lhes saber que não é mau ou desleal sentir raiva perante a doença. As crianças podem odiar o problema e apesar disso, amarem o pai, ou mãe, alcoólico(a).
• Os estudos demonstram que aquelas crianças que têm normas bem estabelecidas, são capazes de enfrentar melhor o problema do alcoolismo na família. Procure que as refeições ou outras actividades de casa se realizem a horas fixas ou da mesma maneira todos os dias. Que existam normas claras quanto aos deveres escolares, saídas e horário de regresso a casa, dia em que dá a
• “semanada” ou a mensalidade. Comemore em família acontecimentos festivos, aniversários, etc.
• Junte-se a um grupo de familiares de alcoólicos, caso acredite que pode aí encontrar ajuda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário