27 junho 2013

Com ajuda da minha família venci o alcoolismo







!                                      Pai : Orlando Barboza


                                     Mãe : Maria Assunção P. Barboza


                                        Irmã : Maria Aparecida Barboza


                                     Irmão : Luis Antonio Barboza


                                       Irmão : Aparecido Barboza


                                 Irmão : Ademir Barboza


                             Irmã : Ester Barboza                


                               Irmão : Altair Barboza



                                      Irmã : Lídia Barboza
                             







                 


                                 





25 junho 2013

Wilson Simonal - Da fama ao esquecimento, alcoolismo e morte - Vídeo

MORTE DE WILSON SIMONAL


NOME: Wilson Simonal de Castro (61 anos) 
QUEM FOI: Cantor brasileiro de muito sucesso nas décadas de 1960 e 1970. Filho de uma empregada doméstica, Simonal era cabo do Exército quando começou a cantar, nos bailes do 8º Grupo de Artilharia de Costa Motorizado (8º GACOSM), então sediado no Leblon. Seu repertório se constituía basicamente de calipsos (estilo musical afro-caribenho que surgiu em Trindad e Tobago no século XIX.) e canções em inglês.
NASCIMENTO: 23 de fevereiro de 1939 - Rio de Janeiro, Brasil.
MORTE: 25 de junho de 2000 - Rio de Janeiro, Brasil.
CAUSA DA MORTE: Cirrose hepática devida a alcoolismo.
OBS: Simonal caiu em absoluto esquecimento a partir da década de 1980. Segundo sua segunda mulher, Sandra Cerqueira, "Ele dizia para mim: 'Eu não existo na história da música brasileira' ". Tornou-se deprimido e alcoólatra.





24 junho 2013

James Rufes Agee e o Alcoolismo


Carreira de James Rufus Agee foi cerceada pelo alcoolismo porém ele ainda produziu obras memoráveis, um dos quais trouxe-lhe um prêmio Pulitzer póstumo.
James Rufus Agee foi um famoso autor e crítico de cinema cuja carreira foi interrompida aos 45 anos de idade por causa da sua dependência de álcool. Ele morreu cedo na vida, mas ainda é lembrado por tais roteiros como The African Queen e a produção teatral de a morte da família.

Início da vida de Agee

Agee nasceu em 17 de novembro de 1909, em Knoxville, Tennessee, Hugh James Agee e Laura Whitman Tyler de francês e ascendência inglesa. Seu pai morreu em um acidente automobilístico quando ele tinha seis anos de idade e, posteriormente, Agee e sua irmã Emma foram embarcaram e educado na escola do St. Andrew para Mountain Boys que proporcionaria também formação religiosa para eles. Foi na escola que ele conheceu pai James Harold Flye, um amigo ao longo da vida, que mais tarde seria o destinatário das cartas mais reveladoras de Agee.
Após o casamento da mãe de Agee pai Erskind Wright, estudou Knoxville High school durante um ano e que o Verão foi levado para Europa por pai Flye. Após seu retorno, ele frequentou escola Philips Exeter Academy em Nova Hampshire assim que ele poderia viver mais perto de sua mãe, que agora residia no Maine. Enquanto na Academia, ele se tornou editor da lanterna mensal onde seus primeiro contos, peça, poesia e artigos foram publicados. Embora ele não era um bom aluno, mal passando muitos de seus cursos, Agee foi admitido à classe da Universidade de Harvard de 1932 e passou a ser editor-chefe do advogado de Harvard e entregue a ode de classe no início.

Casamentos e Assuntos de Agee

Em 1933, ele casou-se com Via Sanders, mas foi se divorciaram em n/a Nesse mesmo ano, ele se casou com Alma Mailman. Alma mudou-se para o México com seu one-year-old filho, Joel, para viver com o colunista Bodo Uhse em n/a Neste momento, Agee começou a viver com Mia Fritsch, em Greenwich Village, que casou em 1946, após o divórcio de Alma. Ele e Mia tinham três filhos, duas filhas, Teresa e Andrea e um filho, John, que tinha oito meses de idade quando Agee morreu.

Carreira de Agee

Após sua graduação em Harvard, Agee escreveu para as revistas Fortune e Time. Em 1934, ele publicou seu único volume de poesia, permitir Me Voyage, com um prefácio de Archibald MacLeish. Em 1936, Agee passou oito semanas durante o Verão em uma atribuição para a fortuna com o fotógrafo Walker Evans, vivendo entre meeiro no Alabama. Quando fortuna não publicou seu artigo, ele mais tarde transformou o manuscrito em um livro intitulado, façamos agora louvor homens famosos. Agee foi o crítico de cinema pela vez em 1941, também escrever livro ocasional revisa e mais tarde tornou-se o crítico de cinema para a nação. Depois de deixar ambas revistas em 1950, tornou-se um escritor freelance de artigos enquanto trabalhava em roteiros de filmes. Carreira ele se tornou mais errático como sua dependência de álcool se agravou. Embora durante sua vida Agee só gostava de reconhecimento público modesto, desde sua morte, sua reputação literária tem crescido. Seu livro, A morte da família, que é dito para ser baseado em eventos que rodearam a morte de seu pai, foi publicado postumamente e em 1958 ganhou o Prêmio Pulitzer de ficção.

Agee e abuso de álcool

Beber pesado de Agee tem sido responsabilizado por seu primeiro ataque cardíaco em 1951; segundo causado sua morte. Afirmou-se que seu alcoolismo era que um resultado do abandono sentiu quando seu pai morreu e está sendo colocado em um internato por sua mãe logo depois. Agee morreu em 16 de Maio de 1955 de ataque cardíaco. 


23 junho 2013

Seu fígado merece cuidados especiais

Dentro do organismo, atua também no armazenamento e liberação de glicose, metabolismo das proteínas (conversão de amônia em uréia), metabolismo dos lipídeos, processamento de hormônios e drogas, destruição de bactérias e células sanguíneas desgastadas, armazenamento de vitaminas e mineiras, além de sintetizar a maioria das proteínas do plasma. A doença mais conhecida do fígado é a hepatite, que quando viral é classificada pelas letras: A, B, C, D e E, podendo também ser causada pelo álcool ou então crônica, que não apresenta sintomas e por isso é mais difícil de ser identificada.

1. ESTEATOSE HEPÁTICA (ACÚMULO DE GORDURA NO FÍGADO)

Pode ocorrer em pessoas que fazem uso constante de bebidas alcoólicas e não são obrigatoriamente alcoólatras. Existe um acúmulo de pequenas bolsas de gordura no tecido hepático levando a um aumento do volume do fígado. Exames de sangue podem identificar danos precoces ao fígado. Quando o consumo de álcool é interrompido , a esteatose hepática desaparece e o fígado se recompõe totalmente.

2. HEPATITE ALCOÓLICA

Esta é uma condição grave onde o fígado foi bastante danificado pelos efeitos do álcool. A doença é caracterizada por fraqueza, febre, perda de peso, náusea, vômitos e dor sobre a área do fígado. O fígado está inflamado causando a morte de múltiplas células hepáticas. Diferente da esteatose, a hepatite alcoólica após curada, deixa cicatrizes permanentes no fígado chamadas - fibroses. A hepatite alcoólica é uma doença que pode oferecer risco de vida e requer hospitalização. Com o tratamento adequado a hepatite alcoólica melhora, porém as cicatrizes permanecem para sempre.

3. CIRROSE HEPÁTICA

Este é o estágio final dos danos causados pelo álcool ao fígado. A cirrose é uma forma de dano permanente e irreversível ao fígado. Esta fibrose leva a uma obstrução à passagem do sangue pelo fígado impedindo o fígado de realizar funções vitais como purificação do sangue e depuração dos nutrientes absorvidos pelo intestino. O resultado final é uma falência hepática. Alguns sinais de insuficiência hepática incluem acúmulo de líquido no abdômen - ascite (barriga d’água), desnutrição, confusão mental (encefalopatia) e sangramento intestinal. Algumas destas condições podem ser contornadas por medicações, dietas e procedimentos especializados, mas o retorno à normalidade não é possível .

COMO SE SABE SE A PESSOA TEM ESTEATOSE, HEPATITE ALCOÓLICA OU CIRROSE?

A ultrassonografia muitas vezes é capaz de visualizar a presença de esteatose ou cirrose hepática. Exames de sangue são bastante úteis para determinar se o fígado apresenta suas funções básicas comprometidas, porém a biópsia hepática é o exame mais específico para se saber o grau de comprometimento e determinar a causa da doença. A biópsia hepática é um procedimento que pode ser realizado em clínicas ou ambulatórios não sendo necessário o internamento do paciente. Realizado com anestesia local, o paciente é liberado em seguida para retorno às suas atividades habituais, recomendando-se apenas que evitem fazer qualquer esforço físico por alguns dias para que o fígado possa cicatrizar.

EXISTEM COMPLICAÇÕES ASSOCIADAS ÀS DOENÇAS HEPÁTICAS ALCOÓLICAS?

Sim, aproximadamente um terço dos pacientes com cirrose hepática têm história de infecção pelo vírus da hepatite C e cerca de 50% terão pedras na vesícula. Pacientes com cirrose tem maior chance de desenvolver diabetes, problemas nos rins, úlceras no estômago e duodeno e infecções bacterianas severas.

SE EU TENHO ALGUM GRAU DE COMPROMETIMENTO DO FÍGADO , ISTO PODE AFETAR MEU TRATAMENTO COM OUTRAS MEDICAÇÕES?

Sabe-se que uma das funções do fígado é o processamento de medicações e outros produtos químicos no seu corpo. Se você tem problemas hepáticos é de se esperar que o processamento dessas medicações se faça de maneira diferente daquelas que acontecem em pessoas sãs. Sempre que for prescrita alguma medicação, converse com seu médico a respeito do problema e sobre qualquer modificação nas dosagens, se necessário. A presença de álcool na corrente sangüinea em pacientes não cirróticos pode causar alterações no processo de funcionamento de algumas medicações. Medicações e álcool não são uma boa combinação.

QUAIS OS TRATAMENTOS DISPONÍVEIS?

De todos os tratamentos para doença alcoólica hepática, o mais importante é parar de beber. Algumas vezes o fígado apresenta uma pequena recuperação, suficiente para manter as suas funções vitais permitindo a pessoa ter uma vida normal.

Quando a cirrose evolui para seu estágio final a única solução é o transplante hepático. Somente pessoas que pararam de beber por longo prazo e estão em programas de reabilitação para alcoólicos anônimos são considerados candidatos para o transplante.

O ÁLCOOL PROVOCA HEPATITE C?

O álcool não provoca a hepatite C, porém se você é portador e não sabe, o consumo de álcool vai acelerar o processo de inflamação de seu fígado, vai ativar o vírus e consequentemente, provocar perda de suas funções importantes.

Para que arriscar se podemos prevenir?? Cuide-se. Queremos vc são.




20 junho 2013

Brasileiras estão bebendo cada vez mais - Vídeo

Brasileiras estão bebendo mais e com maior frequência

As mulheres brasileiras estão bebendo mais e com maior frequência. Uma pesquisa, feita em todo o país, revela que o consumo abusivo de bebidas alcoólicas começa cada vez mais cedo, aumentando o risco de dependência. 





13 junho 2013

Alcoolismo : Um problema viral

Alcoolismo, um problema viral
A primeira reação ao vermos as imagens abaixo, é falar sobre a alta taxa de alcoolismo na Rússia, da qual tanto ouvimos falar. Mas a verdade é que esta cena, que mais parece uma seqüência de uma novelinha dantesca, poderia estar acontecendo em qualquer lugar do mundo.












A grande variedade de bebidas alcoólicas espalhadas pelo mundo, faz do álcool a substância psicoativa mais popular do planeta. Se o Escocês é famoso por ser um grande beberrão de uísque, o Russo por entornar litros de vodka, o Brasileiro não fica atrás sendo o maior bebedor de cachaça do mundo, isso considerando-se que a cachaça é uma espécie de rum, e é o quinto maior produtor de cerveja da qual, só a Ambev, produz 35 milhões de garrafas por dia. 

O alcoolismo é a terceira doença que mais mata no mundo e chega a causar 350 doenças físicas e psiquiátricas tornando dependentes da droga um a cada dez usuários do álcool. É a droga preferida dos brasileiros (68,7% do total), seguido pelo tabaco, maconha, cola, estimulantes, ansiolíticos, cocaína, xaropes e estimulantes, assim, nesta ordem. 

90% das internações em hospitais psiquiátricos por dependência de drogas, acontecem devido ao álcool. Outro dado alarmante apesar das recorrentes campanhas é que motoristas alcoolizados são responsáveis por 65% dos acidentes fatais no país.





12 junho 2013

Ninguém é alcoólatra porque quer


NINGUÉM É ALCOÓLATRA PORQUE QUER – DR. EDUARDO MASCARENHAS


Ninguém é Alcoólatra Porque Quer
Eduardo Mascarenhas*: Médico Psicanalista no Rio de Janeiro
Alcoolismo não é um vício, é uma doença. É preciso que a gente perceba essa sutil diferença, porque ela acaba criando as maiores confusões.
Vício é uma palavra que traz em si uma série de significações negativas, depreciativas e completamente injustas com pessoas que tiveram a infelicidade de sofrer a doença. Poderia ser diabetes, hipertensão, reumatismo, só que é alcoolismo. Se o vício, por um lado, recebe um aspecto correto do alcoolismo, que é a compulsão irresistível de beber, por outro estigmatiza o alcoólico como um fraco de caráter. Ora, convenhamos, não é nada disso. Ninguém se torna alcoólico porque quer, torna-se alcoólico simplesmente porque apesar de todos os mais sinceros e comoventes esforços, não consegue deixar de beber.
Poder-se-ia argumentar, então, por que começou a beber? Ora, quem aos 15 anos não começa a tomar seus chopinhos depois da praia, seu cuba-libre nas festinhas, sua caipirinha de vodka ou cachaça, seus vinhozinhos no natal? Se tiver mais grana, quem não tomará seu champanhe na passagem do ano? Seu uísque no baile? Quem iria adivinhar que, anos depois, se tornaria um alcoólico? Deixemos, pois, de ser hipócritas e de sair pichando, estigmatizando os outros por suas dificuldades.
Se o alcoólico bebe, não é por falta de vergonha na cara. Bebe descontroladamente porque possui uma doença que pode acometer qualquer um: o alcoolismo.
Alíás, falta de vergonha na cara, é sair por aí encontrando explicações fáceis e cômodas para problemas difíceis e incômodos. Você que está lendo esta coluna e eu que a estou escrevendo, que, moderadamente, entornamos socialmente nossas gostosas doses em ocasiões sociais, podemos, perfeitamente, sem percebermos, nos tornar amanhã escravos do álcool. Podemos perfeitamente padecer desta doença – o alcoolismo – e simplesmente não sabemos.
Se 87% de nós jamais beberão descontroladamente, 13% o farão. Tudo muito lotérico. É mais fácil se tornar alcoólico do que acertar no bicho. É infinitamente mais fácil do que acertar na quina da loto. Portanto, mais delicadeza no nosso julgamento não fará mal a ninguém. Inclusive a nós mesmos, pois quem com julgamentos apressados fere com julgamentos apressados poderá ser ferido.
FONTE: Revista Vivência de Alcoólicos Anônimos nº 15
• Amigo de A.A. falecido em abril de 1997.




09 junho 2013

Jaqueline Saburido vítima de motorista irresponsável - Vídeo e fotos que chocam


ANTES DE ENCHER A CARA E DIRIGIR, PENSE NAS CONSEQUÊNCIAS !!!!!!!!!!!!!
Com base num acontecimento real o objetivo do vídeo é chocar as pessoas para que possam se conscientizar sobre o seguinte tema:
Bebida X Direção




A Jacqueline ficou no carro em chamas durante 45 segundos e acabou por ficar gravemente 


Depois do acidente a Jacqueline precisou de mais de 40 operações.


Agora com 20 anos, ele não se consegue perdoar por ter conduzido bêbado naquela noite de há três anos atrás

Ele carrega o fardo de ter destruído a vida da Jacqueline Saburido.



Esta fotografia foi tirada 4 anos depois do acidente e mostra que a Jacqueline ainda necessita de 


Obviamente, há também momentos em que Jaqueline se desespera e chora...

Qualquer um de nós, choraria se estivesse no lugar de Jaqueline...

Jaqueline sabe que a vida sempre nos apresenta novos motivos para sorrir, ainda que durem apenas alguns instantes...

O choro pode durar a noite inteira, mas a alegria vem pela manhã, como diz a Bíblia. É tempo, então, de Jaqueline recomeçar sua luta, com a ajuda de amigos e de familiares...
Aos 23 anos, Jaqueline tenta levar uma vida normal como as garotas de sua idade. Ela adora conversar pela internet!


Jaqueline gosta muito também de ler...

Quando Jaqueline sai à rua, recomeçam os problemas... Há crianças mal-educadas que a chamam de "monstro"!

foram necessárias várias cirurgias para que seu olho direito aparecesse

O nome do pai de Jaqueline é Amadeu, sujeito simpático, de bom coração, um companheirão para todas as horas...

"Seo" Amadeu, o pai de Jaqueline, faz tudo que pode para alegrá-la. Age como se não houvesse nada de diferente com ela...

Apesar de tudo, Jaqueline tenta viver normalmente a vida. Ela conversa com os amigos por telefone, combina de saírem, marca encontro com eles...